Estratégias/Táticas - Art. 44

- Ataque.

- Exercícios para a Aprendizagem e para o Aperfeiçoamento.

- Sequência de Exercícios no. 09.

- Objetivo: consolidar a estratégia ofensiva em situações de jogo especiais.

 

Como vimos em artigos anteriores, o ataque é realizado após a recepção do saque, a uma defesa ou a um toque da bola no bloqueio. Nas Sequências anteriores, os exercícios foram iniciados com a recepção do saque. Nos exercícios em que houve ações sucessivas, o treinador colocava outra bola em jogo, quase sempre nas proximidades da rede.

Nas Sequências que se seguirão, a ênfase será para o treinamento da estratégia ofensiva de situações de jogo - diria - especiais. Ou seja, do ataque de bolas não chegam para o levantamento nas proximidades da rede:

- bolas levantadas do fundo da quadra;

- bolas levantadas de fora da quadra (que saem pelas linhas laterais).

O Treinador simula situações que ocorrem, com elevada freqüência, durante os jogos, para ser praticadas nos exercícios, ou seja:

- bola que toca bloqueio e se dirige para o fundo da quadra;

- bola que o jogador-defesa não consegue controlar e se dirige para o fundo da quadra.

 

65 - Nestes primeiros exercícios a simulação é da bola que toca bloqueio e se dirige para o fundo da quadra; no caso, o levantamento tem que ser feito pelo jogador-defesa (JD) . Os jogadores dispostos no posicionamento defensivo. Um no bloqueio (JB) e o outro na defesa (JD). O treinador (T), atrás da linha do fundo da quadra, alça a bola nas proximidades da linha do fundo. Neste exato momento, JD, posicionado para a defesa no centro-direito da quadra, se desloca para fazer o levantamento, no centro-esquerdo, do fundo da quadra. JB recua da rede para o ponto em que costumeiramente faz sua aproximação final para o ataque, na entrada da rede. Levantada a bola, JB ataca e JD se desloca para o ponto em que o ataque é realizado, a fim de fazer a cobertura do mesmo (diag. 1).

66 - Idem 59. Os jogadores trocam seus posicionamentos. JB posicionado para o bloqueio na saída da rede e JD no posicionamento defensivo (centro-esquerdo). O levantamento é executado do centro-direito para a saída da rede.

Nos diagramas a seguir, estão representados o deslocamento do JD (linha tracejada em vermelho), a trajetória da bola no levantamento (linha interrompida em verde) e o procedimento do atacante de recuar do posicionamento de bloqueio e aproximar-se para o ataque (linha e seta em azul).

 

 

 

 

67 - Outra Situação de jogo: a bola que o jogador-defesa não consegue controlar e se dirige para o fundo da quadra; no caso, o levantamento tem que ser feito pelo jogador-bloqueador (JB). A mesma mecânica dos exercícios 65 e 66. Agora, JB é que se desloca da rede para executar o levantamento, no centro-esquerdo, no fundo da quadra, e JD ataca na saída da rede (diag. 3).

68 - Idem 67, com os jogadores trocando os pontos do posicionamento defensivo. JB na saída da rede e JD no centro-esquerda da quadra (diag. 4).

 

 

Nota

Considero importante que os dois jogadores pratiquem os exercícios executando as duas funções, isto é, desempenhando as funções de JB e de JD (deslocando-se do posicionamento de defesa e do de bloqueio). É muito bom, sobretudo, para que pratiquem o levantamento após deslocamentos curtos e longos.

Algumas duplas atuam com um dos jogadores sempre no bloqueio e o outro sempre na defesa. Mesmo assim devem praticar com alternância de posicionamentos. Em fases do treinamento mais próximas da competição, aí sim, cada qual deve realizar os exercícios dos posicionamentos que adotam no jogo.

 

- Aspectos a serem observados durante a execução dos exercícios.

 

1 - Os levantamentos do fundo da quadra para a rede requerem importantes procedimentos táticos, do jogador que levanta e do que ataca.

- Do Jogador-Levantador.

A - Empenhar-se para deslocar-se com máxima velocidade, a fim de chegar no ponto em que a bola se encontra de modo ter tempo suficiente para executar o fundamento; toque acima da cabeça ou manchete (mais provável).

B - No levantamento por meio do toque, posicionar-se corretamente sob a bola; por meio da manchete, colocar a bola no seu raio de ação.

 

Nota

 

Em ambos os casos, muitas vezes o jogador não consegue chegar com tempo ideal. Logo, tem que ter a capacidade técnica para executar o toque ou a manchete em deslocamento, isto é, sem parar para executá-lo.

 

C - A trajetória da bola tem que ser alta de tal maneira que propicie tempo para o jogador que ataca realizar a primeira aproximação, a aproximação final e ainda consiga golpeá-la numa boa altura. Para isso, o levantador tem que executar o levantamento de modo que a bola saia muito para o alto, já do ponto em ele se encontra. Do contrário, a bola chegará na rede baixa e, por conseguinte, difícil de ser atacada.

D - A trajetória da bola no levantamento é, praticamente, perpendicular à rede. Isto é, entre uma linha imaginária do ponto em a bola é levantada e a linha imaginária do ponto em que JB está posicionado para fazer a aproximação final para o ataque.

Nos diagramas a seguir, está exemplificado. No diag. 1, o JD está mais afastado do ponto do levantamento PL. No diag. 6, JD não consegue se deslocar no sentido da linha lateral, para atacar na extremidade da rede. Ele parte perpendicularmente à rede. Logo, o ponto do levantamento (PL) é mais próximo. O que dificulta o ângulo para a trajetória da bola; mais fechado. Repare que estas duas linhas formam os lados de um triângulo escaleno.

 

 

 

 

Muitas vezes a proximidade de JD com o PL é tão pequena que o triângulo se torna isósceles, como está representado no diagrama 7. Neste último caso, a trajetória da bola deixa de ser praticamente para se tornar rigorosamente perpendicular em relação à rede.

 

 

 

Nota

 

Nos artigos sobre o Levantamento apresento de modo detalhado o procedimento técnico individual para o jogador executar o levantamento corretamente (Clique para ver).

 

E - Por ser uma situação de jogo bem especial - levantamento difícil e ataque em que a bola pode chegar na rede em más condições - o levantador deve executar o levantamento, deslocar para o ponto da rede em que ocorre o ataque, a fim de "cantar" a melhor opção de direcionamento da bola e, na continuidade, fazer a cobertura do mesmo.

 

- Do Jogador Atacante.

A - Após a recepção do saque, de uma defesa e, sobretudo, de um toque no bloqueio em que a bola é levantada do fundo da quadra, o jogador tem que observar procedimentos táticos e ser extremamente veloz, a fim de adequar-se à situação de jogo especial.

- Deslocar do ponto em que se encontra - no momento da ação - até o ponto em que faz a aproximação final para o ataque, que é variável:

- quando consegue passar a bola nas imediações do centro da quadra, de modo geral, a aproximação final (PAF) é iniciada a cerca de 3 metros da rede (diag. 08);

- quanto mais para o fundo mais para o fundo da quadra ocorrer o levantamento (PL), mais longe da rede será iniciada a aproximação final (PAF). No diag. 09, como exemplo, a linha horizontal tracejada em vermelho da PAF está a aproximadamente 4 metros, em relação à rede.

Repare a diferença nos diagramas a seguir. No diag. 8, o ponto do levantamento é no terço central da quadra. JD se desloca do ponto em que fez a defesa até o que faz a aproximação final para o ataque (linha e seta tracejada em azul). Este ponto está cerca de três metros distante da rede. No diag. 9, o PL é no terço final da quadra. JD tem que deslocar e adotar o ponto da aproximação final cerca de quatro metros da rede, de modo proporcionar ângulo mais favorável à trajetória da bola levantada.

 

 

Nota

O ideal é que o jogador atacante esteja no ponto da aproximação final (PAF) no momento em que a bola sai das mãos do levantador. Quanto maior for a distância, em relação à rede, maior terá que ser a velocidade da aproximação.

 

B - Como mencionado na abordagem dos procedimentos do jogador-levantador, o jogador-atacante tem que tentar propiciar a maior angulação possível para a trajetória da bola. Para isso, deve preocupar-se em afastar-se, lateralmente, ao máximo do ponto em que o levantamento é realizado.

Nos diagrama 10, por exemplo, o procedimento com JB saindo do bloqueio. Afasta-se primeiramente lateralmente saindo da quadra pela linha lateral. Deste ponto, aguarda o levantamento. Com isso, ele propicia uma boa angulação para o levantador direcionar a trajetória da bola. Com esse procedimento, tem maior visibilidade da quadra oposta.

No diagrama 11, o JD faz, por exemplo, uma defesa, afasta-se no sentido da linha lateral, aguarda o levantamento e faz a aproximação final para o ataque. O procedimento lhe propicia uma trajetória favorável a uma visão plena da quadra oposta.

Importante: os jogadores que atacam com o braço esquerdo devem adotar procedimentos ao contrário. Isto é, podem abrir para além da linha lateral na saída da rede, e abrirem menos na entrada da rede.

 

 

 

Notas

 

- Quando o jogador-atacante, por qualquer razão, não pode afastar-se para propiciar uma angulação favorável, fatalmente receberá a bola cuja trajetória é perpendicular. No caso, ele deve esperar a bola sair das mãos do levantador e, só depois, iniciar sua aproximação final. Caso aproxime-se antes, receberá a bola nas suas costas.

- Este tipo de ação - falta de espaço para a trajetória da bola - é muito freqüente. Sobretudo, após o toque da bola no bloqueio. É um lance muito rápido. Dificilmente o JB tem tempo suficiente para recuar, abrindo, e fazer uma aproximação adequada.

 

C - Pelos motivos mencionados nos itens A e B, o ataque da bola levantada do fundo da quadra, é situação de jogo altamente favorável ao bloqueador adversário. Ele tem todo o tempo de que precisa para se posicionar corretamente e para avaliar o tempo ideal para saltar e executar o bloqueio. Logo, alguns procedimentos, de ambos os jogadores, ajudam bastante, isto é.

Do Jogador-Levantador:

- "cantar" a melhor opção de direcionamento da bola;

- fazer a cobertura do ataque;

 

Do Jogador-Atacante:

- golpear a bola no ponto mais alto possível;

- tentar atacar o mais para o fundo da quadra possível;

- aventar a utilização de todos os tipos de ataque, inclusive as "exploradas" do bloqueio;

- depois do ataque, mobilizar-se para a ação subsequente, levantamento, no caso de cobertura do ataque, e a transição do sistema ofensivo para o defensivo, no caso de defesa da dupla adversária.

 

Continuação no artigo 45 com outra Sequência de Exercícios.

 

Home

Ir para Menu Vôlei de Quadra