Estratégias/Táticas - Art. 38

Ataque

- Exercícios de Ataque.

- Sequência de Exercícios No. 03.

 

- Objetivos: - familiarização com a estratégia de ataque, na primeira ação;
 - familiarização com os procedimentos do ataque diante dos passes imperfeitos;
 - coordenação de duas ações consecutivas (re-ataque).

 

18 - Os dois jogadores realizam o exercício de modo alternado. O Exercício é dividido em duas ações.

Na primeira, um auxiliar do treinador saca, sem preocupação com o grau de dificuldade. Os jogadores realizam a recepção do saque, o levantamento e o ataque.

Na segunda, o treinador, posicionado no fundo da mesma quadra em que a dupla está realizando o exercício, alça bolas em diferentes pontos para serem levantadas pelo jogador que atacou na primeira ação. O ataque é pelo companheiro que levantou na primeira ação.

Finalizada as ações, invertem-se os papéis, ou seja, o jogador que levantou na primeira ação, agora, recepciona o saque que sempre inicia a primeira ação. Os ataques são por meio de uma "largada", com "soquinho", nos retângulos azuis (clique para ver).

No diagrama a seguir, exemplo da movimentação dos dois jogadores. No caso o saque que iniciou a sequência foi dado no J2. Recepciona, desloca-se para o ataque na extremidade da rede (seta tracejada em azul). Incontinenti, parte para o levantamento da segunda ação (bola amarela), levantamento da bola alçada pelo treinador.

J1 (jogador-levantador) se desloca para a Zona de Ataque e executa o levantamento. Imediatamente após executá-lo, desloca-se (com velocidade máxima) para o ponto em que faz a aproximação para o ataque, na extremidade direita (setas tracejadas em vermelho). Deste ponto, parte para o ataque.

 

19 - Idem 19, com o ataque por meio de "Meia Batida" no retângulo azul da diagonal - de quem está atacando.

20 - Idem 19, com o ataque do tipo 'Lob", nos retângulos amarelos.

21 - Idem 19, com o ataque por meio de "Meia Batida", nos retângulos amarelos.

22 - Idem 19, com o ataque por meio de Cortada Forte, nos retângulos amarelos e laranja.

 

Nota

Além dos exercícios desta sequência serem realizados da maneira como estão apresentados, podem ser mesclados. Ou seja, com um tipo de ataque na primeira ação (que sucede a recepção do saque) e outro na bola levantada na segunda ação.

 

23 - Mesma mecânica dos exercícios anteriores. Agora, com a participação de uma dupla oponente. O ataque, neste caso, deve ser realizado por meio do golpe que o atacante considere mais conveniente. Caso a dupla oponente defenda, a bola deve ser enviada, no primeiro, segundo ou terceiro toque, "de graça", para a quadra da dupla em treinamento, que realizará um novo ataque.

24 - Idem 23, com a dupla oponente, dando continuidade ao jogo. Isto é, caso consigam a defesa, na primeira ou na segunda ação, executam o contra-ataque. Caso a dupla oponente consiga a posse da bola - defesa ou bloqueio defensivo - na primeira ação, o treinador não alça a bola para a segunda ação. Caso não consigam a posse da bola, - na primeira ação - o treinador, então, alça a bola para a segunda ação. Sempre que a dupla oponente conquistar a posse da bola, a dupla em treinamento tem que realizar a transição do sistema ofensivo para o defensivo.

 

Nota

O treinador deve alçar as bolas para as segundas ações em vários pontos da quadra e em diferentes alturas. A intenção é a de simular situações de jogo, com diferentes graus de dificuldade - das mais simples às mais complexas. Os jogadores, obviamente, terão a oportunidade de praticar o levantamento e o ataque de modo diferenciado.

 


 

- Aspectos a serem observados durante a realização dos exercícios.

1. Um aspecto a ser atentamente observado é o ritmo. Para se obter o controle absoluto do ritmo é muito importante.

Na primeira ação (recepção do saque):

- recepcionar o saque endereçando a bola para a Zona de Levantamento;

- executar os levantamentos de acordo com a característica do companheiro, isto é, a bola mais baixa/mais alta, mais próxima/afastada da rede, mais no centro/mais na extremidade da rede, etc;

- atacar por meio do golpe mais conveniente, quer para dar mais velocidade a bola, quer para não facilitar o sistema defensivo da dupla oponente, quer para evitar erros.


Na segunda ação (levantamento e ataque):

- imprimir velocidade máxima nos deslocamentos, para voltar aos posicionamentos originais e, do levantador, para alcançar a bola numa altura tal que possibilite um bom levantamento;

- fazer o levantamento considerando, sobretudo, o posicionamento do companheiro que irá atacar, ou seja, em muitos casos, é necessário alçar a bola mais alta, mais próxima do ponto em que se encontra o companheiro, etc...

- atacar com máxima competência, obviamente, para "matar" o ponto.


Nas transições de um sistema para o outro:

Do ofensivo para o defensivo.

- No momento em que a dupla oponente conquista a posse da bola, os jogadores devem tomar seus posicionamentos defensivos o mais rapidamente possível, independentemente o ponto da quadra em que se encontram. O bloqueador corre para a rede e o defensor para o posicionamento defensivo pré-estabelecido. Nas duplas que não têm jogadores designados especificamente para as funções - ambos jogam no bloqueio e ambos jogam na defesa - o que estiver mais próximo da rede corre para o posicionamento de bloqueio e o outro para o defensivo.

- O que for para o bloqueio deve tomar a iniciativa de sinalizar para o parceiro a tática que adotará no bloqueio. Por exemplo, se irá fechar o ataque para a paralela ou para a diagonal ou se tentará diminuir o espaço de passagem da bola para ambos os flancos.

- O defensor deve, na medida do possível, utilizar-se do discernimento tático individual a fim de identificar qualquer elemento que ajude a prever o ponto da quadra em que provavelmente a bola será atacada - na gíria do voleibol, "leitura do jogo".

 

Do defensivo para o ofensivo.

- No caso de a dupla oponente conseguir a posse da bola com um bloqueio defensivo, o bloqueador deve se afastar da rede com toda velocidade e "pedir" o levantamento da bola - em altura e ponto da rede - mais conveniente para si. No caso de se obter a posse da bola por meio de uma defesa, o bloqueador deve sair da rede e se deslocar com máxima velocidade para executar o levantamento. O defensor, da mesma maneira, deve pedir o levantamento mais conveniente para si.

- No momento do levantamento é requerido, a ambos os jogadores, grande percepção da situação em que se encontra o companheiro e controle do ritmo do jogo. As situações de jogo podem ser de variados graus de complexidade. Muitas das quais os jogadores não estão em condições ideais para realizar o levantamento e/ou o ataque.

- O ataque, de qualquer maneira, deve ser realizado com decisão e inteligência.

 

2. O treinador deve organizar o treinamento de maneira intercalar períodos de execução e períodos de recuperação, a fim de que não haja comprometimento da execução por exaustão. Como a natureza do trabalho é anaeróbica lática, os períodos de execução, levando-se em conta a individualidade biológica dos atletas, não devem ultrapassar quarenta segundos e os intervalos devem ser estabelecidos de modo proporcional, ou seja, entre quarenta segundo e um minuto. Os atletas sem condições físicas adequadas podem e devem ter este intervalo aumentado.

 

3. A fim de realizar o treinamento com nível mais alto possível, o treinador deve exigir os mesmos procedimentos requeridos para a dupla em treinamento para dupla oponente. O bom nível técnico do treinamento resulta do empenho de ambas as duplas. E quanto maior for este nível, maior será o aproveitamento para com o treinamento.

 

Cont. no artigo 39, com outra Sequência de Exercícios.

 

Home

Ir para Menu Vôlei de Quadra