Estratégias/Táticas - Art. 32

Ataque

- Ataque Após a Recepção do Saque ("Side-Out").

- Ataque com Fintas e Variações (continuação do art. 31).

 

- "Chutada" Afastada do Levantador.

Em muitas ocasiões o jogador que recepciona o saque direciona a bola - intencionalmente ou não - perpendicularmente, em relação ao ponto da quadra em está posicionado. Nos diagramas a seguir, dois exemplos:

1- nos 1 e 2, o saque obriga o jogador que recepciona (JR) a deslocar-se para a linha lateral da quadra;

2 - nos 3 e 4, o saque que obriga o JR deslocar-se para o centro da quadra.

Nos dois casos o jogador recepciona (JR) a bola para a rede numa trajetória praticamente perpendicular (linhas tracejadas, em vermelho). Aproxima-se para o ataque, também perpendicularmente em relação à rede e praticamente na mesma linha do JL. A cerca de três metros do ponto em que está posicionado o jogador que levanta (JL), pede a bola "Chutada Afastada"; para a esquerda e/ou para a direita, no sentido do terço central da rede. Muda de direção e desloca-se para atacar a bola no ponto em que considerar mais conveniente.

 

 

No levantamento a trajetória da bola não deve ser muito "chutada". Deve fazer uma certa curva, de maneira que o atacante possa optar pelo melhor ponto para golpeaá-la. Na figura a seguir, uma representação gráfica exemplificando a forma aproximada da trajetória. Repare que a "Chutada" não é um segmento de reta; possui uma curva. Na gíria do voleibol é chamada de "barriga". Ou seja, não é uma "chutada" clássica; é uma "barriguda".

 

 

Nota

Os atacantes sinistros têm dificuldade para o ataque quando deslocam da esquerda para a direita; os destros, quando deslocam da esquerda para a direita. Por esta razão, a trajetória da bola "Chutada" Afastada, nestas circunstâncias, deve ser mais curta.

 

A "Chutada" Afastada do Levantador requer qualidades especiais aos dois jogadores, a saber.

Ao levantador:

- velocidade de deslocamento, a fim de posicionar-se adequadamente sob a bola;

- boa habilidade técnica individual para a execução dos toques acima da cabeça sob várias circunstâncias;

- extraordinário discernimento tático, para perceber a graduação da altura, da curvatura e da velocidade que deve dar à trajetória da bola de acordo com a capacidade do atacante.

Ao atacante:

- grande explosão muscular, flexibilidade de movimento dos membros inferiores e superiores, a fim de obter grande impulsão com máximo equilíbrio e, com isso, golpear a bola no ponto mais alto de sua trajetória e com potência adequada, de maneira a direcioná-la em diferentes locais da quadra adversária;

- habilidade técnica individual no ataque - cortada, "largada" e recursos, para ter a capacidade de desferir o golpe mais conveniente diante de diferentes circunstâncias.

- discernimento tático individual, tendo em vista optar pela velocidade ideal da primeira aproximação e para aproximação final para o ataque, posicionar-se em relação à bola e desferir o golpe mais eficaz.

 

Como em todas as Variações, apresentadas anteriormente, é essencial que levantador e atacante observem procedimentos indispensáveis para que a ação seja bem sucedida.

 

- Procedimento do Levantador.

- No Momento da Recepção do Saque.

- Deslocar-se com velocidade máxima para o local em que a bola é passada;

- Posicionar-se rigorosamente sob a bola, uma vez que, sua posição é o principal ponto de referência para a realização da Variação;

- Observar a atuação do companheiro na recepção do saque, a fim de constatar se este está apto ou não para executar a Variação;

 

- No Momento do Levantamento.

- Alçar a "Chutada" Afastada do ponto em que está posicionamento e de acordo com o convencionado.

- Após executar o levantamento, olhar para a quadra do adversário e "cantar" a melhor opção de direção para o companheiro;

 

- No Momento do Ataque.

- Posicionar-se para cobrir o ataque.

 


 

- Procedimento do Atacante.

- Após a Recepção do Saque, iniciar a primeira aproximação perpendicularmente ao ponto em que o JL está posicionado;

- Tomar a iniciativa, por ocasião do início da aproximação, de "cantar" a Variação que deseja realizar.

 

- No Momento da Aproximação para o Ataque.

- Iniciar a primeira aproximação como quem vai atacar a bola nas proximidades do ponto em que o levantador está posicionado;

- A cerca de 3 metros da rede, trocar a direção e fazer a aproximação final para o local em que considerar mais conveniente;

 

- No Momento do Salto.

- Saltar perpendicularmente e com um espaço, para a rede, de cerca de um metro;

- Posicionar-se, em relação à bola, de maneira que a mesma esteja sobre o eixo do seu corpo, para que possa atacar em todos os pontos da quadra;

 

- No Momento do Golpe.

- Alcançar a "Chutada" no ponto mais alto de sua trajetória e não demorar para atacá-la;

- Atentar para a "cantada" do levantador;

- Optar pelo golpe mais conveniente, segundo sua sensibilidade;

 

Nota

Vale a pena enfatizar o aspecto do posicionamento do atacante, em relação à bola. Nesta Variação de Ataque, o atacante desloca-se para golpear uma bola que está se afastando dele.

No caso de um atacante destro, por exemplo, no levantamento da direita para a esquerda, a trajetória da bola deve ser mais lenta ou mais curta. O atacante tem que se deslocar com muita velocidade com o firme propósito de colocar a bola sobre o seu próprio eixo. Com isso, ele tem a possibilidade de atacar tanto para a paralela quanto para a diagonal.

Vamos supor que não consiga, isto é, que a bola fique à direita do seu eixo. Ele encontrará maior facilidade para o ataque na diagonal, todavia terá extrema dificuldade para o golpe para a o corredor/linha/paralela.

Agora, vamos supor que a bola fique à esquerda do seu eixo. Encontrará maior facilidade para o ataque para a diagonal e maior dificuldade para a paralela/corredor/linha.

Na representação a seguir, uma tentativa de explicar a questão a partir de uma visão do alto. O círculo em vermelho representa o eixo do corpo do atacante. As setas, em vermelho, significam o ponto da quadra em que o atacante encontra maior facilidade para direcionar a bola (em amarelo). O X em verde significa o ponto da quadra em que o atacante encontra maior dificuldade para direcionar a bola (em amarelo).

 

 

No caso de um atacante sinistro, por exemplo, o que está mencionado acima se aplica para o levantamento da direita para a esquerda.

"Explorar" o bloqueio é um recurso a ser altamente considerável no caso em que o atacante não consegue se posicionar apropriadamente sob a bola e esta fica à esquerda (para o destro) e à direita (para o sinistro).

Também nestes casos, creio que num futuro não muito distante os atacante se utilizarão a passada e salto com um pé; como o fazem as jogadoras do vôlei de quadra na jogada "China".

 

Cont. no art. 33, com o Ataque após a Cobertura do Ataque.

 

Home

Ir para Menu Vôlei de Quadra