Estratégias/Táticas - Art. 27

Ataque

- Ataque Após a Recepção do Saque ("Side-Out").

- Recepção Perfeita do Saque.

Quando a recepção do saque é perfeita, o ataque pode ser efetuado por meio da bola alta e com todas opções de velocidade.

- bola alta ( 1 );
- bola "chutada" ( 2 );
- meia bola ( 3 );
- fintas e variações.

 

Na figura a seguir, uma representação gráfica dos dos tipos de levantamento. A no.1 é a Bola Alta. A no. 2 é a "Chutada". A no. 3 a Meia Bola, utilizada em fintas, ou seja, o ataque é de uma bola mais baixa, a frente ou atrás do ponto em que o levantador se encontra (PL).

 

 

 

Na figura a seguir, as mesmas bolas; só que na Saída da Rede.

 

 

Nota

As trajetórias de bolas, demonstradas na figuras acima, são utilizadas, também, nas levantadas para o tipo de ataque com fintas e variações.

 


 

- Ataque com Bola Alta.

A bola alta é o levantamento mais comum e preferido taticamente pela grande maioria das duplas, sobretudo no masculino. Pouco a pouco está sendo substituída por opções mais velozes.

 

Nota

No item anterior a bola alta foi apresentada após uma recepção de saque imperfeita. Com a recepção perfeita os procedimentos do Jogador-Levantador e do Jogador-Atacante são muito facilitados, porque este tem uma visão perfeita do bloqueio e do defensor adversário.

 


- Bola "Chutada"

É o levantamento em que a bola descreve um segmento de reta entre a mão do levantador e o local onde o atacante a cortará. É uma trajetória rápida e com altura de acordo com o alcance do Jogador-Atacante.

 

- Procedimento do Levantador.

- No Momento da Recepção.

- Deve deslocar-se o mais rápido possível para a Zona de Levantamento de maneira que, quando a bola chegar, já esteja preparado para executar o levantamento.

- Deve colocar-se sempre de modo a que a bola fique à sua frente. Se a recepção for um pouco mais à sua frente, atrás ou fora da rede, deve ser rápido, a fim de colocar-se apropriadamente. Com este procedimento há o aproveitamento da força das pernas, tronco e braços.

- Quando o toque é executado em deslocamento para trás, o aproveitamento de forças não é o ideal, ou seja, o levantador terá que se utilizar exclusivamente da força dos braços e mãos.

- No Momento do Levantamento.

- O levantador deve ter em mente que o principal objetivo da bola "chutada" é o de não proporcionar ao bloqueador o tempo necessário para se deslocar e executar o fundamento apropriadamente. Isto é, após deslocar-se para o local do ataque, para flexionar as pernas corretamente, colocar os braços do outro lado da rede, etc...

- Considerando esse aspecto, deve preocupar-se em diminuir o tempo entre a levantada e o ataque:

- saltando, a fim de alcançar a bola em um ponto mais alto,

- imprimindo maior velocidade à trajetória da bola pela força dos braços e mãos.

- Após o Levantamento.

- Sugerir, para o companheiro, o local para onde deve dirigir o seu ataque; de modo geral, oposto onde se coloca o defensor ( "cantar").

- Deslocar-se para o local do ataque, a fim de efetuar a cobertura do mesmo.

 


 

- Procedimento do Cortador.

- Após a Recepção do Saque.

- Dirigir-se ao local de onde faz a aproximação final para o ataque, concomitantemente com a trajetória da bola recepcionada pelo companheiro.

- No Momento da Aproximação para o Ataque.

- No momento em que a bola está às mãos do levantador, iniciar a aproximação final de maneira que esteja executando suas duas últimas passadas quando o levantador estiver impulsionando a bola.

 

Nota

Nunca é demais lembrar que as duas últimas passadas devem ser largas e, principalmente na "bola chutada", extremamente velozes, a fim de que a impulsão seja absolutamente vertical.

 

- No Momento do Salto.

- Feita a aproximação por meio de duas passadas largas e rápidas, o atacante deve concentrar-se e:

- saltar cerca de 1 metro da rede, a fim de evitar que o movimento de seu braço fique tolhido, sobretudo se, por imprecisão, a bola for levantada mais distante da rede que o normal (a bola deve ficar entre o corpo do cortador e a rede);

- saltar verticalmente. Quando as duas últimas passadas são curtas, o jogador salta em um local e no ar o corpo desloca-se em direção à rede, sendo perdido o espaço mencionado acima.

- No Momento da Cortada.

A cortada é o produto final; da aproximação, do salto, do movimento de "arco" do tronco (mencionado em técnica individual) e do movimento do braço. Tudo isso na maior velocidade possível de que o atacante é capaz . No momento do golpe, na medida do possível, o cortador deve olhar o bloqueio e o posicionamento do defensor adversário, escutar a "cantada" do levantador e ter a necessária sensibilidade para o ataque. Esta sensibilidade que o atacante tem que ter, faz com que ele faça a melhor opção, quanto a melhor maneira de atacar a bola, ou seja:

 

 

1 - Tipo de Golpe:- cortada forte;  
 - cortada a "meia força";  
 - "explorada" do bloqueio.  
 - "largada";  
    
2 - Potência do Golpe:- cortada forte;  
 - cortada colocada;  
    
3 - Direção do Golpe:- cortada no fundo - terço final da quadra; - diagonal;
   - paralela;
   - no centro da quadra;
  - cortada p/ baixo - terço próximo da rede; - diagonal,
   - paralela;
  - no centro da quadra.
  - cortada no centro - terço central da quadra; - diagonal,
   - paralela;
   - no centro da quadra.

 

Nota

Esses procedimentos, no caso da "bola chutada", são fundamentais para o sucesso desse tipo de ataque. Peculiarmente é uma ação extremamente veloz, que requer precisão absoluta do cortador e do levantador. Qualquer erro resulta em imperfeição e perda da eficácia na ação.

 

Cont. no art. 28, com a Meia Bola e Fintas e Combinações.

 

Home

Ir para Menu Vôlei de Quadra