Estratégias/Táticas - Art. 07

Recepção do Saque

- Exercícios de Recepção do Saque - Raciocínio.

 

Antes de apresentar exercícios para o aperfeiçoamento da recepção do saque, creio que é muito importante fazer/responder algumas perguntas:

1. qual o objetivo dos exercícios?

2. de que maneira - metodologia - realizá-lo?

3. qual deve ser a seqüência pedagógica?

4. qual deve ser o volume e a intensidade?

 

Nota

O treinador deve entender que os exercícios não devem ser encarados como uma "receita de bôlo". Exercícios que servem para uma dupla podem não servirem para uma outra. Tudo está relacionado com as características dos jogadores da sua dupla. A pior coisa que pode ocorrer para um treinador é tornar-se um copiador.

 

A seguir, apresento respostas à essas perguntas.

 

1 - Objetivos.

- Proporcionar meios para que os jogadores se familiarizem com suas atribuições, diante de todos os tipos de saque.

No decorrer de um campeonato um dupla enfrenta, como adversários, vários atletas com características diferentes. Com a sucessão de jogos, os jogadores vão gravando essas características. Chega determinado momento que todos conhecem todos; não existe mais segredos.

A mesma coisa ocorre com relação às estratégias e táticas utilizadas pelas duplas; todas as duplas se conhecem bastante. Logo, é mais do que natural que as duplas mudem alguma coisa no saque, a fim de dificultar a recepção do seu adversário e todos têm que estar preparados para estas mudanças circunstanciais. Ou seja, o treinamento deve ter em vista proporcionar meios que possibilite aos atletas máxima familiarização, com todos os tipos de saque em todos os pontos da quadra.

Nos artigos - na seção sobre técnica individual - em que abordo o saque, apresento vários tipos, com diferentes pontos de golpes na bola que, por conseguinte, resultam em inúmeros tipos de trajetória. No caso, o treinador, por ocasião dos exercícios, deve tentar reproduzir o maior número de alternativas possível.

 

- Ajustar a recepção do saque à estratégia do levantamento e do ataque.

A recepção do saque, obviamente, tem como objetivo o domínio da bola. Dominada com direcionamento para determinado ponto da quadra - Zona de Levantamento -, a fim de que a função subseqüente, o levantamento, seja executado e, na continuidade, o ataque. O treinamento da recepção de saque, de maneira alguma, deve ser encarado com ação estanque. Em outras palavras, ela é a primeira ação/função de um sistema; o ofensivo.

Diante disso, o trabalho do treinador é criar/estabelecer alternativas de levantamento e ataque, para as diferentes situações decorrentes da recepção. Por exemplo, um saque cuja a trajetória da bola é direcionada entre os dois jogadores. O treinador deve estabelecer qual, entre os dois jogadores, deve encarregar-se da recepção. Qual a altura em que a bola deve atingir após a recepção - este tipo de saque causa dúvida e o jogador que levantará pode atrasar-se, no seu deslocamento para a Zona de Levantamento. Qual o ponto da rede em que a bola será levantada. Etc...

Enfim, os exercícios para o aperfeiçoamento da recepção do saque devem ser absolutamente vinculados às ações subsequentes; levantamento e ataque.

 

- Estabelecer opções de ataque, de acordo com os prováveis tipos de recepção - adaptação às dificuldades.

Como me referi anteriormente, os diversos tipos de saque provocam ou podem provocar bastante dificuldade. Os jogadores devem estar preparados para isso. Para cada dificuldade, deve haver uma adaptação/opção pré-determinada.

Vamos imaginar um situação bastante freqüente. Um jogo em que haja vento soprando no sentido perpendicular, ao comprimento da quadra. A dupla que está recepcionando contra o vento, pode "empurrar" a bola em direção à rede e executar o levantamento de maneira que a bola possa ser atacada em ponto bem próximo da mesma, sem correr o risco da bola passar para o lado do adversário. A dupla que está recepcionando a favor do vento, de maneira inversa, deve tomar todo cuidado para não "empurrar" muito a bola para a rede. O levantador deve considerar a ação do vento, uma vez, que há uma tendência de que a bola fique muito junto da rede, facilitando a ação do bloqueio adversário.

Muitas outras situações de jogo, decorrentes de má recepção, devem ter adaptações pré-estabelecidas no treinamento, a fim de que o levantamento e o ataque possam ser realizados com eficácia.

 

2 - Metodologia do Treinamento.

A eficiência na recepção do saque resulta, basicamente de três aspectos, todos eles requeridos aos jogadores:

a. capacidade técnica individual do jogadores;

b. discernimento tático individual;

c. controle emocional.

Quanto maior for a capacidade técnica dos jogadores na execução do fundamento utilizado na recepção - a manchete - melhor tende ser a performance na recepção. Para isso, o jogador deve ter habilidade para executá-la sob diversas maneiras e sob as mais diversas circunstâncias. Por exemplo, de frente, lateralmente, em salto, etc...

Como mencionado anteriormente, os jogadores deve ter a capacidade de discernir de que maneira executarão a recepção, ou seja: passar a bola um pouco mais para o alto, "empurrar" mais ou menos a bola na direção da rede; passar a bola para frente; passar a bola para o centro da rede; etc...

É muito comum o atleta irritar-se com seus erros de recepção. Muitas vezes, erra muito mais, em decorrência da ânsia de querer acertar. Perde o controle emocional, a autoconfiança e prejudica sua performance e, conseqüentemente, prejudica seu time. Manter o controle emocional, seja qualquer a circuntância, ainda que seja difícil, é muito importante.

Considerando esses aspectos, o treinador deve elaborar seu plano de treinamento tentando simular - com a maior proximidade possível - a realidade do jogo. Na execução do saques para os jogadores recepcionarem, deve tentar reproduzir aquilo que seus atletas encontrarão nos jogos das competições em que estarão participando.

Para duplas de iniciantes ou de divisões de base, o grau de dificuldades tem que ser um. Para equipes de alta competitividade, outro completamente diferente. Conforme o caso, o treinador mesmo pode executar. Para duplas de alto nível, deverá recorrer a outros sacadores e aos próprios jogadores.

É muito importante que o saque busque todos os pontos da quadra, passe em diversas altura - em relação à rede, que sejam à direita, à esquerda, à frente, atrás dos jogadores. De nada adiantará realizar o treinamento da recepção, se o saque utilizado no treinamento não for compatível ao que será executados pelos adversários na competição.

A freqüência com que os treinamentos de recepção devem ser realizados deve ser diretamente proporcional à performance alcançada nos jogos.

Quanto às característica das sessões de treinamentos, alguns pontos devem ser considerados.

 

1 - O ambiente deve ser máxima concentração em todo o decorrer da sessão;

2 - As sessões devem ser específicas, isto é, apenas a recepção do saque deve ser treinada. No momento em que os jogadores praticam o levantamento e o ataque a sessão passa a ser de treinamento de todo o sistema ofensivo e não da recepção; de modo geral os jogadores perdem o foco na recepção e, consequentemente, o aproveitamento não é o mesmo.

3 - Não deve haver qualquer vínculo com a atividade física, ou seja, não está em questão intensidade, velocidade, freqüência das repetições, etc.

4 - Os jogadores devem ser conscientizados para realizá-los com auto-compromisso, ou seja, com máximo empenho para o alcance das metas.

 

3 - Seqüência Pedagógica.

É muito comum presenciarmos uma dupla de incitantes realizando o mesmo treinamento que uma dupla de alta competitividade. Ou, uma dupla de alta competitividade treinando a recepção com saque sem o menor grau de dificuldade. Nem um nem outro é adequado. A fim de ajustar o treinamento a essa importante componente - adequação - o treinador deve estabelecer uma seqüência pedagógica, na seguinte ordem:

1 - estimular o entendimento das situações de jogo - tática individual;

2 - aumentar, gradativamente, o grau de dificuldade do saque;

3 - aumentar gradativamente a freqüência com que os saques são desferidos e, conseqüentemente, a execução das recepções.

4 - acrescentar o levantamento e o ataque, após a recepção, com atividade suplementar.

Inversões nesta ordem podem precipitar o processo de aperfeiçoamento da função e, por conseguinte, o dificultar a assimilação dos procedimentos, individuais e coletivos, com o treinamento.

 

4 - Volume/Intensidade do Treinamento.

Outro aspecto de grande importância. Os treinadores devem planejar seus treinamentos, de acordo com as características dos seus jogadores. Algumas duplas possuem jogadores extremamente capacitados para a recepção do saque e, obviamente, não precisarão treinar tanto - quantitativamente - como um dupla que não disponha de jogadores capacitados.

Considerando que a recepção do saque e, posteriormente, o levantamento e o ataque, isto é o "side-out", constituem ponto de equilíbrio em jogo, torna-se fundamental a eficácia na função. Cabe ao treinador estabelecer a medida apropriada da quantidade de sessões necessárias para a aquisição dessa eficácia.

Quanto à intensidade, não há com o que se preocupar. A recepção do saque - como ação coletiva - é um início/reinício de jogo, ou seja, começa com o saque. Não há necessidade de vinculá-la à intensidade do treinamento. Não confundir com o treinamento técnico individual. Este, sim, pode ser utilizado para dar maior intensidade ao treinamento.

Com o exposto, o segundo passo é o de escolher os exercícios mais apropriados para as sessões de treinamento da recepção, a fim de torná-las objetivas.

 

Cont. no artigo 08 com Seqüências de Exercícios para o Aperfeiçoamento da Recepção do Saque.

Home

Ir para Menu Vôlei de Quadra