Técnica Individual - Art. 14

- BLOQUEIO.

- Exercícios para Aprendizagem e Aperfeiçoamento.

- Sequência de Exercícios no 05.

 

         - Objetivos:- tempo de bloqueio.
 - percepção de direção da trajetória da bola.
 - familiarização com o impacto da bola.

 

Esta sequência de exercícios é continuidade da anterior. Agora as situações tornam-se - pouco a pouco - semelhantes às encontradas no jogo real. É necessário que o bloqueador perceba todos os movimentos do atacante e do levantador da equipe adversária, desde o momento em que tocam na bola. Este procedimento ajuda na tomada de decisão, isto é:

- o melhor posicionamento para aguardar o desenlace da ação adversaria;

- bloquear ou não;

- o momento certo de saltar para o bloqueio;

- que trajetória da bola tentar obstruir.

É muito comum o bloqueador não considerar coisa alguma, isto é, ficar olhando apenas para bola. Não se corrigindo, este expediente pode tornar-se fator limitante de performance.

 

43 - Um jogador levantando e outro atacando. O treinador, do outro lado da rede, lança a bola para o jogador que ataca fazer a recepção, aproximar-se e atacar a bola levantada pelo companheiro. No ataque não deve haver preocupação em desviar do bloqueio, ou seja, trajetória reta.

44 - Idem 43, com o ataque para a paralela.

45 - Idem 43, com o ataque para a diagonal.

 

Notas

- Estes exercícios já requerem do bloqueador o acompanhamento do atacante desde o momento em que ele faz a recepção, aspecto importante para a tomada de decisão.

- Como em todos os exercícios, praticar nas duas extremidades da rede.

 

46 - Agora o treinador/colaborador executando saque. Os dois jogadores (o que ataca e o que levanta) simulam uma situação real de jogo. O seja, recepção, levantamento e ataque. O ataque é de maneira que a trajetória seja reta. O bloqueador observa todos os movimentos do jogador-atacante e do jogador-levantador, a fim de acumular elementos para bloquear.

47 - Idem 46, com o ataque para a paralela.

48 - Idem 46, com o ataque para a diagonal.

49 - Idem 46, com o ataque livre, ou seja, no ponto em que o jogador que ataca desejar.

 

Nota

A situação de jogo utilizada nos exercícios 46, 47, 48 e 49 se prestam para que o bloqueador acompanhe e avalie a movimentação do atacante desde o momento em que faz o passe. Também e, sobretudo, a qualidade do levantamento. Ou seja, se a bola está baixa/alta, colada/afastada, enfim, todo e qualquer elemento que contribua para perceber que trajetória o atacante dará à bola e em que momento golpeará à mesma, fundamental para decidir o tempo de bloqueio.

 

- Aspectos a serem observados durante a execução dos exercício.

1 - Além dos erros mencionados na sequência anterior, nesta os exercícios vão ganhando maior dinamismo. Simulam com maior proximidade as situações de jogo. Os jogadores, no caso, muitas vezes, deixam-se levar pela atmosfera competitiva - o atacante não quer ser bloqueado e o bloqueador quer bloquear de qualquer maneira - e afastam-se dos objetivos propostos.

A primeiríssima providencia a ser tomada pelo treinador é a de chamar atenção, com toda ênfase, para o compromisso que os jogadores têm que ter para com os objetivos a serem alcançados com o exercícios. Depois, que o treinamento tem em vista aperfeiçoar um ação individual, mas que, apesar de ser individual, é utilizada no sistema defensivo. Em outras palavras, no sistema defensivo o bloqueio cumpre a função de "matar" o ponto, como também a de servir como ponto de referência no qual o defensor adota para decidir sobre seu posicionamento.

 

2 - Feita esta observação, são os erros que mais se verificam.

O bloqueador não observar as movimentações do atacante, isto é:

- o ponto em que ocorre a recepção do saque;

- a velocidade do atacante durante a aproximação para o ataque;

- o salto;

- os movimentos do tronco e dos braços.

Também, do levantador, por exemplo:

- se o levantador consegue posicionar-se apropriadamente para executar o levantamento;

- se o levantamento será feito por meio de toque ou de manchete, que influem na velocidade do mesmo;

- se o levantador considerou o ponto em que o jogador-atacante executou a recepção.

De modo geral, esta observação propicia elementos importantes que o bloqueador deve considerar para realizar o bloqueio; ou não.

3 - O treinador deve controlar a freqüência - para não acelerar - com que os saques são desferidos. O ideal é que haja tempo para os jogadores possam refletir sobre suas ações e para o treinador faça as correções necessárias.

4 - No treinamento muitas bolas serão levantadas imperfeitamente. Afastadas da rede, baixa, etc... O treinador pode aproveitar para praticar a saída do bloqueador para o posicionamento defensivo; a manobra "Reco-Reco".

Na próxima sequência os exercícios visam a prática das situações de jogo anteriores e posteriores ao bloqueio; todas muito importantes para a performance do bloqueador.

 

Cont. no art. 15, com outra Sequência de Exercícios

Home

Ir para Menu Vôlei de Quadra

  Ir para Menu Estratégias/Táticas do Sistema Ofensivo - Vôlei de Praia  

 

Ir para Menu Estratégias/Táticas do Sistema Defensivo - Vôlei de Praia

Ir para Menu Vôlei de Praia