Técnica Individual - Art. 12

- Bloqueio

- Exercícios para Aprendizagem e Aperfeiçoamento.

- Sequência de Exercícios no 03.

 

- Objetivos:- execução correta do fundamento, com o salto do chão;
 - qualidade do salto e equilíbrio do corpo em suspensão.
 - tempo de bloqueio.
 - percepção de direção da bola.

 

24 - Exercício 2 a 2. Um postado de frente para a rede, pronto para efetuar um bloqueio. O outro, no lado oposto da rede, afastado cerca de 3 metros, executa um toque (com os pés no chão) de maneira que a bola passe rente ao bordo superior da mesma. O bloqueador aguarda o momento de saltar para o bloqueio e, no momento exato, faz a flexão/extensão das pernas, com velocidade máxima, salta e intercepta a bola antes que esta passe para o seu lado (bloqueio invadido). Na figura a seguir, uma representação gráfica para exemplificar o exercício. O toque na bola deve ser realizado de tal maneira que sua trajetória seja reta e bem rápida.

 

 

 

 

25 - Idem, com os jogadores executando os toques, distantes cerca de 2 metros da rede. Agora, o exercício requer maior velocidade dos movimentos de flexão/extensão, do salto e da colocação dos braços sobre a rede.

26 - Idem ex. 24 e 25, com uma variação. No momento do toque, o jogador vira o tronco ligeiramente para à direita e/ou para à esquerda, a fim de indicar em que trajetória atacará a bola. O bloqueador aguarda no chão e, tão logo perceba a trajetória da bola, movimenta-se com uma passada curta e lateral para sua direita e/ou para sua esquerda, salta para o bloqueio e intercepta a mesma antes que esta ultrapasse o bordo da rede (bloqueio invadido).

27 - Exercício 2 a 2. Um postado de frente para a rede, pronto para efetuar um bloqueio. O outro no lado oposto da rede, afastado cerca de 3 metros, executa um ataque (com os pés no chão) de maneira que a bola passe rente ao bordo superior da mesma. O bloqueador aguarda o momento de saltar para o bloqueio e, no momento exato, faz a flexão / extensão das pernas (salta) e intercepta a bola antes que esta passe para o seu lado (bloqueio invadido).

 

 

 

 

28 - Idem 27, como jogador que ataca afastado a 2 metros da rede.

29 - Idem 28, com jogador que ataca a 1 metro da rede. O ataque é em frente ao corpo do bloqueador.

30 - Idem 29, com o ataque à direita do bloqueador que deve movimentar, ligeiramente, os dois braços para direita.

31 - Idem 30, com o ataque à esquerda do bloqueador que deve movimentar os dois braços.

32 - Agora com o ataque reto, ou à esquerda, ou à direita. O bloqueador, olhando fixo para o jogador que ataca, movimenta os braços de acordo com a trajetória da bola.

33 - O treinador/colaborador sobre uma plataforma, a cerca de 2 metros da rede, atacando bolas. O bloqueador, na quadra oposta, aguarda no chão, olhando fixamente apenas para os movimentos do treinador/colaborador que está atacando. No momento exato (tempo de bloqueio), salta, de maneira que seus braços invadam a quadra adversária, e bloqueia a bola, antes que ela ultrapasse o bordo da rede.

 

 

 

 

34 - Idem 33, com a plataforma mais próxima da rede, cerca de 1 metro e meio. Como a distância é menor, o bloqueador tem tempo menor para realizar todos os movimentos para e execução do bloqueio; salto e invasão dos braços.

35 - Idem 34, com uma diferença. O treinador/colaborador indicará a direção do ataque, ou seja, fará um giro no tronco para a direita ou a esquerda. O bloqueador tem que perceber a direção da bola e movimentar seus braços para interceptá-la.

36 - Idem 35, agora com o treinador/colaborador, atacando reto, ou à direita, ou à esquerda, sem indicar previamente em que direção fará o ataque. Importante: o exercício deve ser realizado em ambas as extremidades da rede.

 

- Aspectos a serem observados durante a realização dos exercícios.

 

- Logo no início desta sequência os objetivos estão mencionados. A tarefa, agora, requer muito maior concentração para com todos eles. Pouco adianta executar corretamente o bloqueio se não for no tempo exato e sem perceber a direção do ataque. Por isso, é recomendável que o treinador, antes de atacar as bolas, propicie um tempo para o atleta mentalizar o procedimento requerido. A freqüência dos ataques, em um primeiro momento, não é tão importante. Na medida em que os atletas forem ganhando desembaraço, a freqüência pode ser aumentada.

- Os ataques, tanto nos exercícios 2 a 2 em os atletas atacam, quanto nos demais em que o treinador/colaborador ataca, deve haver uma preocupação. O jogador/treinador/colaborador deve atacar com um movimento curto do braço, a fim de que o ataque seja rápido e o bloqueador não tenha muito tempo para saltar e executar o fundamento.

- O tempo de bloqueio, um dos objetivos a serem alcançados com a prática dos exercícios, é regulado no chão. O bloqueador aguarda o momento exato para saltar e no momento que considerar correto o faz - sempre - com velocidade máxima. Quando atrasa, o movimento de elevação dos braços rebate a bola; quando adianta, a bola bate das mãos quando corpo está em queda, ou seja, sem equilíbrio. O correto é que a bola bata no momento em que o corpo está no ponto morto da impulsão; nem na subida, nem na descida.

- A partir desta sequência os exercícios passam a assemelhar-se à realidade do jogo. O ataque da bola fora da rede é uma situação de jogo bastante freqüente. É a circunstância em que o bloqueio tem grande chance de sucesso.

- Os exercícios devem ser realizados em ambas as extremidades da rede, a fim de que os jogadores se familiarizem com estes pontos e com as viradas de mãos para dentro da quadra.

- Erros mais freqüentes:

- tempo de bloqueio, salto adiantado ou atrasado;

- perda do equilíbrio do corpo no ar e, em decorrência, do espaço entre o corpo do bloqueador e a rede;

- lentidão na elevação e colocação dos braços para o outro lado da rede;

- afastamento excessivo das mãos, sobretudo quando é necessário o movimento dos braços para a direita e/ou para a esquerda;

- não olhar para os movimentos do atacante;

- fechar os olhos no momento do ataque.

Concluindo, os erros na execução dos exercícios desta e de sequências anteriores se repetem. Quer na execução do fundamento, quer na graduação do tempo, que na interceptação da bola, enfim, em todos os quesitos. O treinador e os atletas têm que ter muita paciência. O primeiro para corrigir, corrigir, corrigir. Os segundos para buscarem a perfeição da execução. Com este expediente e na medida em que os exercícios vão se sucedendo, os erros vão rareando. Pouco a pouco a complexidade vai aumentando, todavia a execução do bloqueio, a graduação do tempo, etc, não mudam.

 

Cont. no art. 13, com outra Sequência de Exercícios

 

Home

Ir para Menu Vôlei de Quadra

  Ir para Menu Estratégias/Táticas do Sistema Ofensivo - Vôlei de Praia  

 

Ir para Menu Estratégias/Táticas do Sistema Defensivo - Vôlei de Praia

Ir para Menu Vôlei de Praia