Técnica Individual - Art. 05

- Qualidades Indispensáveis para o Bloqueador

 

C - Percepção de Tempo.

 

Uma das mais importantes qualidades que o bloqueador deve que possuir é percepção de tempo. Sem a qual é muito difícil, para não dizer impossível, ser um bloqueador eficiente. Resulta de uma combinação: tática individual-velocidade do processamento cerebral.

A fim de saber o momento exato em que deve saltar para o bloqueio é absolutamente necessário levar em conta uma série de variáveis, de modo geral, relacionadas às várias maneiras de ataque - tática individual - a saber :

- bola junto da rede;

- bola afastada da rede;

- bola baixa;

- bola levantada do fundo da quadra para a rede;

- bola atacada por meio de outros golpes, Meia-Batida, "Cuts", "Lobs", etc.

 

- Bola Junto da Rede.

É a bola em que o bloqueador, de boa estatura e impulsão, tem a maior possibilidade de sucesso. Deve esperar no solo (tempo de bloqueio) e, no momento em que o atacante vai completar o movimento do braço para o ataque, realizar velozmente a flexão, extensão e o salto, tentando chegar com as mãos o mais perto possível da bola.

Na figura a seguir, repare que a distância entre a bola e as mãos do bloqueador é mínima. O atacante fica sem espaço para desviar a bola. É o tipo de situação mais favorável ao bloqueador, desde que observe o fator tempo. Deve colocar as mãos no momento exato; se colocar antes, pode ser "explorado", depois, rebaterá a bola.

 

 

 


 

- Bola Afastada da Rede.

A bola afastada da rede, geralmente, passa mais rente ao bordo superior da mesma. Requer do bloqueador um tempo pouco maior de espera antes do salto. Os braços, como sempre, devem estar acima e do outro lado da rede (figura a seguir). O movimento final do bloqueio (invasão dos braços sobre a rede) deve coincidir com a passagem da bola pela rede.

 

 


 

- Bola Baixa.

É, de modo geral, uma bola que só pode ser atacada para o fundo da quadra e que passa rente ao bordo superior da rede. O bloqueador, como sempre, deve aguardar o momento exato para o salto e realizar o fundamento (flexão/extensão das pernas, impulsão e colocação dos braços sobre a rede) com a maior velocidade possível (figura a seguir).

 

 

 

Nota

 

Nesta circunstância pouco adianta alcance, ou seja, colocar os braços estendidos sobre a rede. A bola pode bater nos braços e/ou antebraços e sair da quadra (bloqueio "explorado"). O importante é acertar o tempo de bloqueio, isto é, colocar as mãos sobre o bordo da rede no exato momento em que a bola está passando.

É muito comum o bloqueador se atrasar, em relação ao tempo do bloqueio. Por ter tomado a decisão tarde demais ou por realizar sem a velocidade requerida os movimentos para a execução do bloqueio (flexão/extensão das pernas, impulsão e colocação dos braços sobre a rede). O que ocorre nestes casos é a "rebatida" da bola pelo movimento de elevação dos braços e mãos. Neste caso, a bola toca no bloqueio e volta para a quadra do atacante, o que não é um bloqueio positivo. O certo é que no momento em que a bola é atacada o bloqueio - fundamento - já esteja completo.

 


- Bola Levantada do Fundo da Quadra para a Rede.

É uma situação de jogo muito frequente, sobretudo após uma defesa ou uma recepção mal executada. Requer extrema habilidade e raciocínio do levantador. A bola nessa situação de jogo não pode, de maneira alguma, chegar baixa e próxima da rede. É um tipo de ataque em que o atacante não tem uma visão apropriada da quadra adversária e, em consequência, está sujeito:

- ao erro;

- a atacar a bola muito rente do bordo superior da rede;

- atacar por meio de "largadas".

 

O bloqueador, por conseguinte, deve "atrasar" ao máximo o salto e realizá-lo quase que no mesmo tempo em que o atacante desfere com o golpe. No caso da bola fora da rede, então, deve saltar (até) após o golpe do atacante adversário.

 


 

- Bola Atacada por meio de "Largadas".

 

As "Largadas" são golpes que não a Cortada Potente. São executadas por meio de golpes popularmente conhecidos como:

"Cuts" e Soco, para largadas no terço inicial da quadra;

Meia-Batida ("Shots") e "Lobs", para "largadas" no terço final da quadra.

São executadas em duas circunstâncias distintas:

- por opção;

- por impossibilidade de ataque forte.

Quando é executada por opção do jogador, é mais difícil de ser percebida; o atacante finta um ataque por meio de cortada e, no momento do golpe, opta pela "largada". Por isso, o bloqueador deve saltar para o bloqueio no mesmo "tempo" em que o faz em um ataque por cortada.

Quando é executada por impossibilidade de ataque por meio de uma cortada forte, ocorre em bolas mal levantadas, muito fora ou muito próxima da rede, baixas, curtas, longas, etc... Neste caso, o bloqueador atento pode perceber claramente e decidir-se sobre dois procedimentos:

- "atrasar" o salto, ou seja, saltar no momento do golpe do atacante;

- sair do posicionamento de bloqueio para o de defesa (manobra "Reco", nome popularmente conhecido no Brasil).

 

Notas

 

- Em qualquer das situações descritas, o "tempo de espera" se dá no chão. A flexão e extensão das pernas, o salto e a invasão dos braços, como sempre, devem ser realizados no menor tempo possível.

- É fundamental, considerando a estratégia defensiva elaborada, que o bloqueador ocupe um espaço pré-determinado, pelo qual o jogador da defesa se orienta. A fim de que este espaço fique bem definido, o bloqueador deve adotar o seguinte procedimento: aguardar o "tempo exato" para o salto, olhando para a aproximação e o salto do atacante e postar-se, em relação ao mesmo, levando-se em conta três opções:

- em frente a um dos braços;

- em frente ao eixo do corpo;

- ligeiramente à direita/à esquerda do corpo, tendo em vista a obstrução de determinada trajetória da bola (diagonal/paralela).

 

Cont. no art 06, com outra qualidade indispensável; Percepção de Direção

 

Home

Ir para Menu Vôlei de Quadra

  Ir para Menu Estratégias/Táticas do Sistema Ofensivo - Vôlei de Praia  

 

Ir para Menu Estratégias/Táticas do Sistema Defensivo - Vôlei de Praia

Ir para Menu Vôlei de Praia