Técnica Individual - Art. 61

- Ataque.

- Exercícios para a Aprendizagem e o Aperfeiçoamento da Técnica Individual.

- Seqüência de Exercícios no. 9.

- Objetivos: aprendizagem das Bolas de Tempo - parte 2.

Em continuidade à aprendizagem das bolas de tempo, apresentarei, nesta seqüência, mais alguns exercícios, ainda de modo pouco dinâmico. O intuito é o de consolidar a aprendizagem dos procedimentos básicos e absolutamente essenciais, para levantadores e atacantes adquirirem a correta técnica de ataque das mesmas.

Considero importante a lentidão no início deste processo. A etapa é de rigor no detalhamento destes procedimentos de maneira que os mesmos fiquem realmente assimilados. Convém enfatizar, que vale a pena demorar um pouquinho mais esta etapa, a fim de que os atletas não tenham dificuldades adiante. Portanto, vamos a mais uma seqüência.

70 - A disposição dos jogadores na quadra, como está demonstrada no diagrama a seguir, é a seguinte:

- o treinador do lado oposto da rede, onde está se realizando o exercício, atirando bola no meio da quadra para um jogador, que tem que passar a bola para a zona de levantamento - como se fosse a recepção do saque.

- um levantador na zona de ataque, executando levantamento da bola de tempo;

- um jogador nas imediações da linha de ataque;

- um jogador no meio da quadra passando a bola para o levantador;

- uma coluna de jogadores aguardando a vez de participar.

O treinador/colaborar atira bolas, sem qualquer dificuldade para o jogador que está posicionado para passar - o primeiro da coluna. Este, passa a bola para o levantador, que levanta a bola de tempo Cabeça Frente Normal. No exato momento em que a bola está a caminho do levantador, o atacante inicia sua aproximação por meio de duas passadas - como fizera na seqüência de exercícios anterior. O ataque a bola deve ser direcionada para nos retângulos amarelo ou laranja.

71 - Idem 70, com o ataque da Cabeça Frente Positiva. No caso, o levantador alça a bola e sai da frente, uma vez que o atacante salta à sua frente. O ataque é apenas no retângulo amarelo.

 

72 - Idem 70, com o ataque da Cabeça Frente Esquerda. Relembrando, o atacante tem que ter a preocupação de saltar bem na frente do levantador. Apenas no momento do salto, força a impulsão de maneira distanciar-se (com o corpo) para a esquerda. O ataque é no retângulo laranja.

73 - Idem 70, com o ataque da Cabeça Atrás. A aproximação, também, é como se fosse para atacar uma Cabeça à Frente Positiva.

74 - Idem 70, com o ataque da Bola de Tempo "Chutada" de Meio. Existe uma diferença. O atacantes partem para o ataque entre as pos. 3 e 4.

75 - Agora, com a mesma mecânica, os atacantes partem da pos. 4. A aproximação é oblíqua, em relação à rede. Com relação à aproximação, é mais longa do que quando feita da pos 3. É muito importante que as duas passadas finais - que antecedem o salto - seja bem amplas. O ataque é da bola de tempo Cabeça Frente Normal. A bola pode ser direcionada tanto para o retângulo laranja quanto para o amarelo.

No diagrama a seguir, está exemplificada a disposição dos jogadores para a realização do exercício.

 

76 - Idem 74, com o ataque da variação Positiva. No ataque, os atacantes devem direcionar a bola para o retângulo amarelo.

77 - Idem 74, com o ataque da variação Esquerda. O ataque é no retângulo laranja.

78 - Idem 74, com o ataque da Cabeça Atrás. O ataque é no retângulo amarelo.

79 - Idem 74, com o ataque da "Chutada" de Meio. Os atacantes atacam a bola entre as pos. 3 e 4.

80 - A mesma mecânica dos exercícios anteriores, com os jogadores partindo da pos. 2. O ataque é da Bola de Tempo Normal, imediatamente à frente do levantador. A bola deve ser direcionada tanto para o retângulo amarelo quanto para o laranja.

No diagrama a seguir, a maneira como os jogadores se dispõem na quadra para executar o exercício.

 

Nota

O treinador deve orientar seus atacantes para que façam a aproximação em linha reta. Digo isso porque é comum fazerem deslocando, primeiramente para o meio da quadra, depois de frente para o levantador. Isso não é bom. Mais tarde, no momento em que estiverem participando de combinações de ataque, o artifício gera confusão, entre este e o atacante da segunda bola da combinação. No diagrama a seguir, o exemplo do que estou me referindo.

 

81 - Idem 80, sendo que o ataque é da Bola de Tempo Positiva. O atacante executa a última passada a cerca de 1 metro do ponto que o levantador está posicionado, salta na frente do levantador e golpeia a bola a cerca de 1 metro deste. A mesma deve ser cortada para o retângulo amarelo.

82 - Idem 80, com o ataque da Bola de Tempo Esquerda. O atacante executa a última passada na mesma linha do ponto em que o levantador está posicionado, salta à cerca de 1 metro deste ponto e golpeia a bola a cerca de 1 metro à frente do levantador. A bola deve ser direcionada para o retângulo laranja.

 

Nota

No diagrama a seguir, tento demonstrar a diferença dos procedimentos do atacante (A), para o ataque da Positiva e para o da Esquerda. Para a primeira, ele da sua última passada (seta tracejada em vermelho) atrás da linha em que o levantador está posicionado (linha perpendicular à rede, tracejada em cinza) e golpeia a bola, praticamente sobre o levantador. A impressão que se tem, neste momento, é que o atacante atropelará o levantador.

Para o ataque da esquerda, a última passada é feita na linha do posicionamento do levantador e o ataque é realizado à cerca de um metro do levantador.

Obs: a linha tracejada em cinza, paralela em relação à rede, está à cerca de 1,5 m da linha central da quadra. O atacante não deve saltar após a mesma, a fim de que, após o salto e no momento do golpe, não ficar com seu corpo muito aproximado da rede.

 

83 - Idem 80, com o ataque da Bola de Tempo Cabeça Atrás - Positiva. Está bola é atacada, rigorosamente, no ponto em que o levantador está posicionado. É necessário que o atacante execute sua última passada à cerca de 1 metro atrás do ponto em que o levantador está posicionado. A impressão que se tem é que o levantador será atropelado. A bola deve ser direcionada para o retângulo laranja.

84 - Idem 83, com o ataque da Bola de Tempo Cabeça Atrás - Antes/Passada. Já nesta variação a bola é atacada a cerca de 1 m antes do ponto em que o levantador está posicionado. Para isso, o atacante tem que executar sua última passada a cerca de 2m do levantador e golpear a bola a cerca de 1m da cabeça do levantador. A bola deve ser direcionada para o retângulo laranja.

No diagrama a seguir, a diferença das aproximações para o ataque da variação Positiva e da Antes/Passada.

 

Notas

- Na figura a seguir, uma representação gráfica que exemplifica a diferença entre o ponto de ataque das duas variações. A bola da esquerda é a Positiva e da direita é a Antes/Passada.

- Essas variações da Cabeça Atrás são importantes. Elas têm uma razão de ser na composição das combinações de ataque, como veremos em Estratégias/Táticas.

 

85 - Idem 84, com o ataque da Bola de Tempo "Chutada" de Meio. É uma bola muito difícil de ser executada. O atacante realiza duas aproximações. A primeira, do ponto do qual parte (pos. 2) até a linha do levantador. A segunda, ele dá duas passadas bem largas, salta e ataca a bola à cerca de 3 metros do ponto em que a mesma é levantada. A rigor, o atacante faz um salto em extensão. O levantador, em virtude do grau de dificuldade da manobra, deve imprimir a maior velocidade possível à bola. A bola deve ser direcionada tanto para o retângulo laranja quanto para o amarelo.

No diagrama a seguir, um exemplo da aproximação do atacante para o ataque da bola "Chutada" de Meio.

 

- Aspectos a serem observados durante a execução do exercícios.

 

- Em todos os exercícios os jogadores que exercem a função de passar a bola, devem ser posicionados em ambos os lados da quadra. Porém, na fase inicial de realização dos exercícios, o levantador deve receber a bola vinda de sua frente. Posteriormente, ou seja, quando demonstrar maior desembaraço, deve receber a bola vinda também de suas costas.

- Um procedimento essencial do levantador: a bola não deve ser levantada "colada" na rede. Como vimos anteriormente, os atacantes ficam com os movimentos dos braços cerceados e adquirem "vícios" que, mais tarde, trarão extrema dificuldade e limitação.

- Um procedimento essencial dos atacantes: as duas últimas passadas devem ser bastante compridas, independentemente do ponto em que partem para o ataque. Primeiro, para "matar" a velocidade com que o corpo vem em deslocamento. Segundo, a fim de fazer permitir um salto cuja impulsão deve ser vertical e equilibrada.

- No momento em que a bola é passada o levantador não deve estar muito próximo da rede. Um metro é uma distância é mais do que suficiente. As bolas passadas muito junto da rede, muitas vezes, impedem os movimentos do levantador por ocasião do levantamento.

- O treinador e os atacantes devem observar o ponto em que a bola se encontra, no momento do ataque. Deve ser rigorosamente sobre sua própria cabeça - no eixo do corpo; nem à direita nem à esquerda. O cuidado é indispensável, para ser possível o ataque para ambos os lados da quadra adversária. No artigo 51 de Técnica Individual (clique para ver) abordo o assunto de modo detalhado.

- Na descrição dos exercícios sugiro o ataque buscando os retângulos; amarelo e/ou laranja. A indicação se justifica para tornar o atacante mais desembaraçado. Ou seja, em certas bolas o ponto mais fácil, mais natural de se colocar a bola é o retângulo amarelo, por exemplo. O adversário também acha e, por isso, posta seu bloqueio para impedir esta trajetória da bola. Ora, o atacante tem que estar preparado para direcionar a bola, também, para o retângulo laranja. Caso não tenha esta capacidade, encontrará dificuldade diante desta situação de jogo.

Cont. no art 62, com outra Seqüência de Exercícios.

Voltar ao Menu Técnica Individual - Vôlei de Quadra.