Técnica Individual - Art. 55

- Ataque - Exercícios para o Aprendizagem e para o Aperfeiçoamento da Técnica.

- Seqüência de Exercícios no. 3.

- Objetivos: aprendizagem da passada, salto e movimentos do tronco e braços.

- Material Auxiliar: bola de voleibol e forca (*).

Nota

A forca é um meio auxiliar muito valioso para a aprendizagem da cortada. Com ela é possível realizar exercícios de maneira mais pormenorizada, sem que o atleta fique preocupado com a movimentação da bola. Ou seja, ele poderá praticar passadas, saltos e golpes tendo como alvo uma bola parada, o que facilita bastante a tarefa de um iniciante. Na figura a seguir, um desenho de uma forca.

O material para a construção da mesma pode ser de madeira, tubo galvanizado ou assemelhado. De baixo para cima, temos:

- base de sustentação (1), que possui uma "luva" e na qual é afixada a haste vertical - o poste da forca;

- haste vertical (2) de, aproximadamente 3 metros, que é encaixada na base de sustentação;

- haste horizontal (3), conexão entre a haste vertical e o prendedor das bolas;

- prendedor da bola (4), confeccionado de material bem macio - para não machucar as mãos dos atletas - e que tenha flexibilidade para os lados, a fim de permitir que a bola fique bem afixada e com o golpe a mesma saia sem dificuldade;

 

A forca pode ser utilizada em qualquer local e, sobretudo, nas proximidades da rede, como mostra a figura a seguir.

 

Outro aspecto da maior importância é a distância com que a bola deve ser colocada em relação à rede; cerda de 0,5 m.

 

22 - O atleta sobre uma cadeira, plinto, mesa, etc, executa os movimentos do tronco e o golpe na bola, afixada na forca, com a preocupação de aprender o gesto da parte final de uma cortada.

Nota

Neste exercício e no que se seguem, não é necessário que a forca esteja posicionada nas proximidades da rede.

 


23 - O atleta, afastado 0,5 m, em relação ao prolongamento do ponto em que a bola esta afixada na forca (PPB), salta, realiza os movimentos do tronco e golpeia a bola.

 

24 - O atleta, afastado 0,5 m e mais uma passada para trás, do prolongamento do ponto em que a bola está afixada (PPB), executa uma passada bem larga, salta, realiza os movimentos do tronco e golpeia a bola.

25 - O atleta, afastado 0,5 m e mais duas passadas para trás, do prolongamento do ponto em que a bola está afixada (PPB), executa duas passadas bem largas, salta, realiza os movimentos do tronco e golpeia a bola.

Nota

Os exercícios 22, 23, 24 e 25 são os primeiros passos para a aprendizagem da cortada. Devem ser realizados sem qualquer pressa. O professor/treinador terá oportunidade de corrigir cada detalhe durante a execução dos mesmos. Caso seja necessário, os exercícios devem ser repetidos em uma ou mais sessões, até que haja uma assimilação apropriada. Faz parte do processo. Enquanto não houver esta assimilação, o mais prudente é não passar para seqüências seguintes. A precipitação pode acarretar vícios de execução que, não raro, acompanham o atleta pelo resto da carreira.

 

26 - Agora com a forca na rede - como mencionado em figura anterior. O atleta afastado 0,5 m, do prolongamento do ponto em que a bola está afixada (PPB), executa um salto, executa os movimentos do tronco e golpeia a bola, direcionando-a em linha reta para o fundo da quadra.

No diagrama a seguir, os pontos em que a forca deve ser colocada (retângulos em amarelo) e os pontos da quadra em que a bola deve ser direcionada (retângulos em laranja).

 

 

27 - O atleta, afastado 0,5 m e mais uma passada para trás, do prolongamento do ponto em que a bola está afixada (PPB), executa uma passada bem larga, salta, realiza os movimentos do tronco e golpeia a bola, direcionando-a em linha reta para o fundo da quadra (retângulos laranja)..

28 - O atleta, afastado 0,5 m e mais duas passadas para trás, do prolongamento do ponto em que a bola está afixada (PPB), executa duas passadas bem largas, salta, realiza os movimentos do tronco e golpeia a bola, direcionando-a em linha reta para o fundo da quadra (retângulos laranja).

29 - Agora com a forca colocada na rede, de maneira que a bola fique de frente para o retângulo laranja, disposto em diagonal ao ponto em que a bola é golpeada. Os atletas, no caso, praticarão o ataque direcionando a bola para as diagonais. Afastados 0,5 m do prolongamento do ponto em que a bola está afixada (PPB). O atleta salta, realiza os movimentos do tronco e golpeia a bola para o fundo da quadra (retângulo laranja).

30 - Idem exercício 29, com o afastamento de 0,5 m e mais uma passada para trás. Executa uma passada, salta...

31 - Idem exercício 28, com o afastamento de 0,5 m e mais duas passadas para trás. Executa duas passadas, salta...

 

- Aspectos a serem observados durante a realização dos exercícios.

 

1 - Os exercícios estão apresentados de acordo com um certo raciocínio: a decomposição da execução do fundamento... ao contrário. O seja: o golpe, o salto e as passadas. No método mais usual ocorre justamente o contrário: as passadas, o salto e o golpe. Cabe ao professor/treinador avaliar vantagens e desvantagens de cada qual e adotar o que considerar mais conveniente.

2 - Os exercícios em que o atleta executa a cortada sobre uma cadeira, plinto, etc, são valiosíssimos. Substitui o método, largamente adotado em aprendizagens, em que o atleta salta inúmeras vezes e corta bolas e mais bolas até conseguir realizar corretamente o fundamento. O professor/treinador, quase que impotentemente, corrige, corrige, corrige. Orienta que dever ser mais para a direita, estica o braço, a passada tem que ser mais longa, etc, etc... Na cadeira, não. Ele executa o gesto e o professor diz: é assim que se faz!!! Manda repetir até que o atleta assimile a execução correta.

3 - Nas diversas seqüências que se seguirão, cujos objetivos são a coordenação das passadas com o salto e o golpe, a tendência é que o aprendiz encontre maior facilidade. É muito comum atletas demonstrarem grande ansiedade no decorrer do processo de aprendizagem. Desejarem aprender o mais rapidamente possível e se tornarem os maiores cortadores do mundo. Com isso, impacientam-se, querem cortar com força, enfim, "colocar o carro na frente dos bois". Isso não é bom. O processo é lento e gradual. O objetivo, para atletas e professores/treinadores, deve ser a aprendizagem correta do fundamento. O bom cortador, aquele que tem golpes poderosos, que brilha nas seleções nacionais, passou, também, por um processo de aprendizagem. Portanto, o trabalho de conscientização a ser realizado com os atletas é de fundamental importância para o sucesso futuro deles.

Cont. no art. 56, com outra seqüência de exercícios.

Voltar ao Menu Técnica Individual - Vôlei de Quadra.