Téc. Individual - Art. 50

Ataque

- Elementos Fundamentos da Técnica Individual.

- Procedimentos que influenciam o Ataque (continuação)

 

Movimentos do Corpo - tronco e braços - em Suspensão (no ar).

 

Nos artigos precedentes, abordamos a Aproximação para o Ataque e o Salto, componentes essenciais para execução da cortada, principal fundamento do ataque. Neste, focalizaremos os movimentos que o cortador realiza com o corpo em suspensão, também essenciais para a excelência do golpe. São eles:

- Extensão e flexão do tronco.

Movimento semelhante ao de um arco. O atleta estende, de modo máximo, a face anterior do tronco - músculos abdominais - e flexiona os posteriores do tronco - músculos paravertebrais, a fim de aumentar a distância entre os braços e a bola. Na figura a seguir, o exemplo do movimento do corpo no ar. Após o salto o tronco e as pernas adquirem o formato de um arco. O braço que golpeia a bola é levado bem para trás, a fim de propiciar maior distância (DBB) em relação à bola. Em outras palavras, quanto maior o percurso e a velocidade do braço, maior será o impacto do mesmo na bola.

- Elevação dos Dois Braços.

O jogador quando salta, a fim melhorar sua impulsão, executa um vigoroso movimento dos braços, primeiramente para trás e depois para frente e para o alto. Este movimento ajuda também na manutenção do equilíbrio do corpo no ar. Repare na foto a seguir o braço esquerdo do atacante está alçado. E que o braço que vai golpear a bola (no caso não vai receber) ainda não está elevado.

 

 

 

 

- Flexão e Extensão do Braço que golpeia a Bola.

No ponto morto da impulsão - momento em que o corpo para de subir e começa a descer - o jogador eleva e estende o braço com que golpeia a bola, a fim de alcançá-la no ponto mais alto possível.

 

- Pronação ou Supinação do Braço que golpeia a Bola.

No momento do golpe ele pode bater:

- no centro-alto;

- no centro-esquerdo;

- no centro-direito da bola.

Quando o faz no centro-esquerdo da bola - por exemplo, na entrada da rede - ele executa o movimento de pronação com o braço.

Quando o faz no centro-direito - também na entrada da rede - realiza o movimento de supinação com o braço.

 

Na foto a seguir, instante antes do golpe. Repare que o braço ainda não está totalmente estendido. Também, a distância entre seu braço e a bola. Repetindo, a potência do golpe é maior quando o percurso do braço é realizado com velocidade máxima.

 

 

 

- Qualidades Físicas Indispensáveis para a realização dos Movimentos.

 

- Movimentos do Tronco: - flexibilidade dos movimentos da coluna vertebral;
  - flexibilidade dos músculos da face anterior do tronco - abdominais e peitorais;
  - força explosiva dos grupos musculares das faces, anterior e posterior, do tronco;

- Movimentos dos Braços:

- flexibilidade dos movimentos que envolvem as articulações escápulo-umeral e escápulo clavicular;

  - flexibilidade e extensão dos músculos das face anterior e posterior do braço;
  - força explosiva dos grupos musculares do braço e das articulações escápulo-umeral e escápulo-clavicular e do tórax (peitorais).

 

A potência do golpe e, consequentemente, a velocidade da trajetória da bola são decorrentes desta sequência de movimentos executada com velocidade máxima.

 

Notas

- Muitos atletas não conseguem realizar os movimentos do corpo no ar. Uns, por não possuírem boa impulsão. Ou seja, o tempo de permanência do corpo no ar é muito curto e insuficiente para realizá-lo. Alguns, por não terem as qualidades físicas requeridas. Muitos, por não terem trabalhado a técnica individual da cortada e as qualidades físicas indispensáveis à realização correta dos movimentos. Seja qual for o caso, o treinador deve ser capaz de diagnosticar a causa da incapacidade e elaborar educativos para a aprendizagem da técnica e exercícios físicos específicos contribuam para sanar/minimizar limitações.

 

- Conheci vários atletas, alguns notáveis, por exemplo, que não tinham capacidade de atacar a bola, na entrada da rede (pos. 4), para a diagonal e, na saída da rede (pos. 2), para a paralela. É o caso, entre outros motivos, da falta da dotação física para executar os movimentos de supinação - na entrada da rede - e pronação - na saída da rede. Isso é um fator limitante. O adversário percebe e se posiciona no bloqueio para fechar a trajetória da bola que, sabidamente será X. Alguns jogadores, para se ter uma idéia, não conseguiram resolver o problema ao longo de suas carreiras.

 

Cont. no art. 51, com o Golpe - momento final do Ataque.

 

Home

Ir para Menu Vôlei de Quadra