Téc. Individual - Art. 47

Ataque

- Elementos Fundamentos da Técnica Individual.

1 - Cortada.

2 - Recursos de Ataque: - "largada";
  - "meia-batida";
  - "efeito contra".

 

Nota

Os nomes mencionados acima são os mais populares no Brasil. Em outros países recebem outros.

 

1 - Cortada.

 

É utilizada na maioria dos ataques, em virtude de ser o meio pelo qual o atacante imprime a maior velocidade à trajetória da bola. É realizada por meio de um golpe com a mão e dedos abertos. A fim de direcionar a trajetória da bola para pontos distintos na quadra adversária, o atacante bate na mesma de diferentes maneiras.

No centro da bola.

O golpe é desferido no centro da bola, para imprimir uma trajetória reta. A palma da mão atinge a região destacada na figura e os dedos a parte imediatamente acima.

 

No centro-direito da bola.

O golpe é desferido na lateral da bola (destacada na figura ao lado), a fim de direcioná-la para à esquerda. Por exemplo: na entrada da rede pos. 4, para colocar a bola na pos. 1 (corredor); na saída da rede, para colocá-la também na pos. 1 (diagonal).

 

No centro esquerdo da bola.

A mão do atacante golpeia a lateral da bola (destacada na figura ao lado), com o objetivo de direcioná-la para a direita. Por exemplo: na entrada da rede, para colocá-la nas pos. 4 e 5 (diagonal); na saída da rede, para colocá-la na pos. 5 (corredor).

 

No topo da bola.

É um golpe raro. O atacante golpeia o topo da bola (destacada na figura ao lado) quando deseja uma trajetória direta para o solo. É uma situação de jogo rara. Ocorre quando não há qualquer bloqueio do adversário.

 

 

No centro-baixo da bola.

É também um golpe pouco comum. É utilizado no ataque em que a bola está distante da rede. O atacante, no caso, tenta que, na trajetória, a bola passe mais alta em relação à rede e descaia no fundo da quadra. Obviamente para não dar chance ao bloqueio adversário e, acima de tudo, não cometer erro.

 

 


 

2 - Recursos de Ataque.

 

"Largada".

É recurso largamente utilizado em qualquer nível de competitividade. O atacante simula uma cortada e no momento final do movimento desta, toca levemente na bola com a ponta dos dedos; por cima, à direita ou à esquerda, do bloqueio, num ponto da quadra em que não haja adversário.

 

"Meia Batida".

É uma graduação da potência com que o atacante golpeia a bola. Ele simula a cortada forte e, no momento do toque na mesma, diminui a velocidade do braço e bate com pouca força. De modo geral, o adversário que está esperando o ataque forte, tende a surpreender-se.

 

"Efeito Contra".

O nome é uma criação do consagrado e finado treinador Benedito Silva, o Bené. O jogador finta a cortada forte e, no momento do golpe na bola, toca-a com a mão espalmada, do centro para o topo da mesma. O braço, ao invés de realizar o mesmo movimento da cortada forte, eleva-se, e as pontas dos dedos tomam a direção do céu. A bola sobe ligeiramente e cai atrás, à direita ou à esquerda do bloqueio adversário.

Nota

O legendário Bené Silva dizia que só os "beneditinos" (atletas formados por ele) sabiam dar o efeito contra. E é verdade. O grande mestre deste golpe foi Roni Show, por executá-lo com elevada frequência e em momentos cruciais de um jogo. Fernandão, Bernard, Badá, entre outros, embora com menor frequência, também utilizavam o golpe. Fora os "beneditinos", o extraordinário Tande executava com perfeição, na quadra e depois no vôlei de praia.

 

Os fundamentos e recursos do ataque diferem um dos outros no momento do golpe. Para a execução de todos é necessário observar os procedimentos mencionados anteriormente. Ou seja:

- a aproximação para o ataque;

- o salto;

- os movimentos do corpo - tronco e braços - em suspensão;

- o momento final do golpe.

 

No art. 48, abordaremos a Aproximação para o Ataque.

 

Home

Ir para Menu Vôlei de Quadra