Estratégia/Tática - Artigo 27

 

Estratégias / Táticas Ofensivas - Levantamento e Ataque.

4 - Bolas de Tempo.

 

Antes de iniciar a apresentação da Bola de Tempo Cabeça Atrás, vale recapitular a classificação das bolas de tempo, quanto ao local em que são executadas, apresentada no artigo 26.

 

  - à frente do levantador: - Cabeça à Frente
4.1 - Próximas do Levantador:    
 

- atrás do levantador:

- Cabeça Atrás

 

 

 

 

  - à frente do levantador: - "Chutada" de Meio
4.2 - Afastadas do Levantador:    
 

- atrás do levantador:

- China c/ 1 Pé, na Saída da Rede

 

 

 

 

4.1.2 - Cabeça Atrás.

 

É largamente utilizada, também, por muitas equipes em todo o mundo. É mais difícil de ser executada. Requer muito entrosamento entre o levantador e o atacante. Sobretudo quando o atacante parte da pos. 2, uma vez que, o levantador de costas, não tem uma visão favorável do mesmo.

 

- Pontos da Quadra - Zona de Ataque - dos quais os atacantes se aproximam para o ataque das Bolas de Tempo, próximas do levantador:

- pos. 4;

- pos. 3;

- pos. 2.

No diagrama a seguir, a setas tracejadas, em vermelho, exemplificam o trajeto que os atacantes fazem vindos dos pontos da quadra mencionados. Interessante notar, que é uma linha reta, percorrida com máxima velocidade, de tal maneira que o atacante possa estar no ar e com braço pronto para o golpe, no momento em que a bola chega nas mãos do levantador.

 

 


 

- Maneiras de Execução das Bolas de Tempo, próximas do Levantador.

 

Existem algumas maneiras de levantamento das Bolas de Tempo, que dificultam ainda mais a ação dos bloqueadores e conseqüentemente de todo o sistema defensivo. É a colocação da bola, pelo levantador, em pontos diferentes:

- Reta;

- Positiva e/ou Passada à Direita;

- Passada à Esquerda.

 

- Reta.

O levantador alça a bola rigorosamente sobre o prolongamento de seu eixo (linha compreendida pelo tronco e cabeça). O cortador escolha do ponto da quadra em que direcionará a bola, podendo ser à direita ou à esquerda do bloqueio. Na representação gráfica a seguir, uma visão do alto com as linhas central (LC) e de ataque (LA). O atacante se aproxima para o ataque vindo das posições 4, 3 e 2. Em comum, o ponto em que saltam para o ataque: rigorosamente à frente do levantador. Este alça a bola ligeiramente às suas costas e - praticamente - sai de baixo para não ser atropelado.

 

 

 

- Positiva e/o Passada à Direita.

O levantador alça a bola ligeiramente atrás da sua cabeça, propiciando ao cortador o direcionamento do seu ataque à direita do bloqueio. O artifício dificulta a ação do bloqueador, que se coloca geralmente à frente do corpo do cortador. No caso, a bola sendo mais à direita (do cortador) sai do seu alcance. Na representação a seguir, a mesma visão do alto.

 

 

Nota

O percurso do atacante da pos. 4 (destacado em vermelho) é um pouco diferente. A fim de ganhar angulação favorável, ele se aproxima em linha reta e faz uma quebrada na direção e parte em linha reta para o ponto em que salta.

 

- Passada à Esquerda.

O levantador alça a bola a cerca de meio metro à sua frente. O cortador aproxima-se na direção das costas do levantador e, no momento do salto, projeta seu corpo para a esquerda. A colocação da bola mais à esquerda e o movimento do corpo do cortador para a esquerda favorecem o direcionamento do ataque à esquerda do bloqueador (para pos. 1 da quadra adversária), que geralmente salta na frente do cortador.

Na representação gráfica a seguir, uma visão do alto da linha central da quadra, do ponto em que o levantador se posiciona e do trajeto do cortador. Repare que a aproximação é feita em direção às costas do levantador. Para isso, estão colocadas linhas tracejadas (em vermelho) que significam o prolongamento da aproximação inicial. No momento do salto os atacantes projetam o corpo; o da pos. 2 para frente, o da pos.3 para a esquerda.

Nota

O atacante da pos. 4, apresentado nos exemplos anteriores, desta vez não se justifica. Teria que fazer verdadeiro malabarismo. Melhor: atacar Cabeça Frente Esquerda.

 

 

 

Na figura a seguir, uma visão do fundo da quadra, para exemplificar os ponto finais das trajetórias da bola. Coloco o ponto em que o levantador executa o levantamento. A linha tracejada, em vermelho, representa o prolongamento do eixo do levantador, isto é, a linha imaginária formada pelo tronco e cabeça. A variação Passada à Esquerda, a bola é levantada cerca de meio metro à esquerda do eixo do levantador; a Reta, rigorosamente sobre o eixo; a Positiva e/ou Passada à Direita, ligeiramente à direita do eixo.

 


 

- Procedimentos do Levantador.

 

1 - Deslocar-se, com máxima velocidade, dos pontos da quadra em que estiver para a Zona de Levantamento, no exato momento em que a bola é recepcionada e/ou defendida.

2 - Posicionar-se sob a bola de maneira que o atacante possa o ter como ponto de referência.

3 - Executar o toque para o levantamento no ponto mais alto possível, a fim de diminuir, ao máximo, o comprimento da trajetória da bola.

4 - Adequar a trajetória da bola de acordo com o alcance de cada atacante. Este procedimento têm em vista diminuir o tempo do ataque - tempo compreendido entre a saída da bola das mãos do levantador (p.l) e golpe do atacante (p.g.). Quanto menor for o tempo do ataque maior a dificuldade para os bloqueadores adversários.

 

 

5 - Adequar o afastamento, em relação ao bordo, de acordo com a conveniência de cada atacante. Na figura a segui, o visão paralela à rede. O bordo superior da mesma e a angulação em que a bola pode ser levantada.

6 - Impulsionar a bola imprimindo velocidade à trajetória da bola.

 


 

- Procedimentos do Atacante.

 

1 - Deslocar-se do ponto em que estiver para o em que realiza a aproximação final, o mais rapidamente possível.

2 - Fazer a aproximação final por meio de passadas compridas. Vale repetir que a última passada deve ser dada na direção do ponto em que o levantador está posicionado (círculo verde); independentemente da posição em que o atacante parte (2 ou 3). O levantador é que coloca a bola uma pouco mais à direita um pouco mais à esquerda, isto é, de acordo com o combinado; reta; passada à direita e/ou passada à esquerda. Na figura a seguir, o exemplo de como tem que ser a aproximação final, tanto da pos. 3 quanto da pos. 2.

 

 

3 - Saltar verticalmente, a fim de obter máximo equilíbrio do corpo no momento do golpe.

4 - Ao final da ascensão do corpo, posicionar-se, em relação à bola, de maneira poder golpeá-la para ambos os flancos da quadra oposta.

5 - Golpear a bola no ponto mais alto de sua trajetória e sem qualquer atraso.

 


 

- Procedimentos Coletivos.

 

1 - A Cabeça Atrás, corretamente atacada, como mencionado anteriormente, resulta, entre outros fatores, do perfeito entrosamento entre o levantador e o atacante. Por não ter o atacante em seu campo de visão - na maioria das vezes às suas costas - o levantador tem que ter certeza que este estará pronto para o golpe, no exato momento em que a bola chega às suas mãos. Logo, não pode haver falha nesse sincronismo.

2 - É alto o grau de dificuldade de execução da Cabeça Atrás, o que a torna menos freqüente em reação à outras bolas de tempo. Em comparação à Cabeça Frente, por exemplo, é muito menos executada. Em razão desse aspecto, é maior a probabilidade de outros atacantes - da combinação de ataque - serem acionados. Com isso, todos devem estar atentos para o ataque, no caso de receberem a bola final.

3 - Como todas as bolas de tempo, é uma ação muito rápida. Os demais atacantes, quando não acionados, têm que redobrar atenção para se deslocarem para a cobertura de ataque.

 

Nota

 

O ataque da Cabeça Atrás e as combinações em que ela é a primeira bola, é característica - marcante - do voleibol asiático. Notadamente de China e Coréia do Sul. No conjunto de diagramas a seguir, três exemplos.

No diag. 1, as Combinações Desmico para Trás e Volta da Desmico para Trás. A Cabeça Atrás está representada pela seta tracejada em vermelho; na Desmico para Trás a seta é em azul marinho; a Volta, o atacante da pos. 3 finta que vai atacar a Desmico para Trás, volta e ataca no terço central da rede (seta em azul mais claro).

No diag. 2, a Desmico da Cabeça Atrás. O atacante da pos. 3 se aproxima para atacar a Cabeça Atrás (seta vermelha) e o da pos 2 ataca no terço central da rede (seta azul marinho).

No diag. 3, a China com 1 Pé da Cabeça Atrás. Os atacantes das posições 2 e 3 partem da frente do levantador. O primeiro ataca a Cabeça Atrás (seta vermelha) e o segundo a China com um Pé na Saida da Rede (seta azul); é uma combinação característica da Seleção Feminina da China - por sinal... linda.

 

 

Cont. no artigo 28, com a Bola de Tempo Chutada de Meio.

Home

Ir para Menu Vôlei de Quadra