Estratégia/Tática - Artigo 15

Estratégia/Tática Coletiva - Recepção do Saque

- Treinamento Tático, Associado às Demais Funções do Sistema Ofensivo - Parte 3

- Características do Treinamento Tático Coletivo

 

- Verificação Sistemática.

 

Com a introdução da informática e estatísticas no voleibol, é possível saber-se os níveis de performance que devem ser atingidos a fim de tornar a equipe realmente competitiva.

Nos meus treinamentos realizo uma avaliação sistemática, a fim de que eu possa ter uma idéia exata do rendimento em cada prática e fazer com que os jogadores se habituem à responsabilidade de buscar níveis cada vez mais altos, ou seja, os níveis requeridos pela própria competição.

Essa avaliação pode ser realizada em:

- treinamento tático;

- jogos amistosos preparatórios;

- jogos oficiais.

Ao término destes, apresento o aproveitamento da equipe e de cada jogador. Comparando-se com o nível requerido pode-se ter uma avaliação objetiva da performance de recepção do saque.

A avaliação não precisa ser muito detalhada, como as realizadas nos jogos oficiais, uma vez que, uma equipe não dispõe de tantas pessoas para esse fim. Por isso, sugiro que em um formulário, constem apenas as informações fundamentais, por exemplo:

 

 

No. da Rotação
No. Recepções
No de Positivas
Percentual

#1

15

12

80%

#2

18

10

55%

#3

09

08

88%

#4

15

09

60%

#5

17

15

88%

#6

12

08

66%

 

Notas

- Considero importante especificar o número de cada rotação, a fim de que se possa identificar as causas das dificuldades ou virtudes de todas as rotações.

- As estatísticas realizadas em jogos oficiais são muito mais detalhadas, pois qualificam as recepções positivas com números, conceitos, etc... No treinamento não há necessidade, as positivas devem ser as perfeitas. As que não são perfeitas, são negativas.

- Esse trabalho pode ser executado por apenas uma pessoa, sem a menor dificuldade.

 

- Estimulação da Autocrítica.

 

Seja qual for o resultado na performance momentânea ou constante do sistema ofensivo, sucesso ou insucesso, todos os jogadores devem possuir auto-discernimento para identificar as causas. Duas causas são determinantes, além obviamente do méritos ou deméritos do adversário, isto é:

- técnica individual execução do fundamento correta / incorreta acerto / lapso eficiência / deficiência segurança / insegurança;

- tático posicionamento correto / incorreto boa / má assimilação da tática capacidade / falta de concentração tranqüilidade / afobação.

 

Nota

- O erro técnico individual faz parte do jogo e não constitui problema, quando ocorre eventualmente por lapso ou insegurança, em virtude do mérito do adversário (como um saque difícil). Quando ocorre por deficiência ou insegurança constante, o aumento do treinamento pode melhorar a capacidade técnica. Caso isso não ocorra, jogador que as apresenta não é apropriado para a função.

- O erro tático por má assimilação da tática, também pode ser resolvido com mais treinamento. Por falta de concentração ou afobação, a repreensão do treinador ou a substituição do jogador podem resolver o problema.

Associado ao trabalho de transmitir embasamento teórico aos jogadores, o treinador deve estimular seus jogadores a exercitarem um senso crítico e auto-crítico. Em uma partida, essa propriedade pode contribuir para solução de quaisquer dificuldades, sem a necessidade da sua intervenção.

 

Continuação no art. 16, com Exercícios de Aplicação.

Home

Ir para Menu Vôlei de Quadra