Estratégias/Táticas - Art. 31

Estratégias/Táticas - Defensivas.

Saque - Considerações - Definições.

Do 02 ao 30 artigo apresentamos Estratégias / Táticas para neutralização do ataque por meio de diferentes tipos de bola:

- Bola Alta no Centro e nas Extremidades da Rede,

- Segundas Bolas das Combinações de Ataque;

Bolas Atacadas do Fundo;

- Bolas de Tempo.

O próximo passo do roteiro é o de apresentar Estratégias / Táticas para neutralizar Combinações de Ataque. Antes de disso, considero extremamente importante abordarmos o Saque. Elemento que pode influir decisivamente na contrução da Estratégia Ofensiva da equipe adversária. E que tem sido objeto de muita discussão entre atletas, treinadores e autores de livros e artigos sobre o voleibol.

 

- Saque.

Há controvérsia em torno do saque. Ao longos dos tempos tem se tornado cada vez mais potente. As trajetórias das bolas alcançam velocidades acima dos 100 km/h. A recepção é na realidade uma defesa dificílima de ser executada, uma vez que, a bola tem que ser direcionada para a Zona de Levantamento. Gera as questões:


1 - é um ataque ou não?

2 - como definir o saque?

Antes de tudo, é interessante mencionar – textualmente - a definição segundo a Regra 12.


O saque é o ato de colocar a bola em jogo pelo jogador de trás à direita, posicionado na zona de saque.

Agora, vejamos a regra 13, que trata do ataque.


Todas as ações que enviem a bola para o adversário, exceto o saque e o bloqueio, são consideradas como golpes de ataque.


Ou seja, a regra oficial não considera o saque um ataque. Todavia, muitos treinadores e atletas consideram o saque um poderoso ataque, sim.


O Prof. Célio Cordeiro Filho, ex-treinador da Seleção Brasileira Masculina e atual membro da Comissão de Treinadores da Federação Internacional de Volleyball, divide os fundamentos por conceitos: de defesa e de ataque. E considera o saque, por conceito, um ataque. Enfim, existem muitas opiniões.

Aqui no JUSTVOLLEYBALL tenho sido intencionalmente repetitivo na minha visão de que no voleibol existe uma vinculação entre fundamentos e funções, o que pode resultar muitas vezes em uma confusão sobre o que é fundamento e o que é função. No meu modo de ver, assim estão divididos os Fundamentos e as Funções do Jogo.

 

 

- saque;

 

 

 

- para o levantamento,

 

- toque acima da cabeça;

 

 

 

- para a recepção do saque e para a defesa;

 

 

 

Fundamentos:

 

- para o levantamento,

 

- manchete:

 

 

 

- para a recepção do saque e para a defesa;

 

 

 

 

- bloqueio;

- para o bloqueio.

 

 

 

 

- cortada/meios de ataque.

- para o ataque.

 

 

Trata-se de uma classificação tradicional, adotada em no Brasil e todo o mundo.

 

 

 

- recepção do saque;

 

- vinculadas ao sistema ofensivo:

- levantamento;

 

 

- ataque;

Funções do Jogo:

 

- cobertura do ataque.

 

 

 

 

 

- saque;

 

- vinculadas ao sistema defensivo:

- bloqueio;

 

 

- defesa;

 

 

- contra-ataque.

 

Como pode ser reparado, existem fundamentos e funções com os mesmo nomes, porém com significações diferentes.

- Saque-Saque

- Bloqueio-Bloqueio

Vejamos um quadro com os Fundamentos que são utilizados nas Funções:


Funções do Jogo
Fundamentos da Técnica Individual
Recepção do Saque: - toque acima da cabeça e manchete;
Levantamento:  - toque acima da cabeça e manchete;
Ataque: - cortada e meios de ataque (“largada”, por exemplo);
Saque: - saque;
Bloqueio: - bloqueio;
Defesa: - toque acima da cabeça e manchete;

 

                             

Diantes dessas classificações, vamos raciocinar juntos. Num jogo transmitido pela televisão o comentarista diz que determinada equipe está mal no bloqueio. O que você entende?

A - Que os jogadores da equipe mencionada não estão executando corretamente o fundamento bloqueio?

ou

B - Que os bloqueadores não estão obtendo êxito com o bloqueio, no confronto com o ataque da equipe adversária?

 

Da mesma maneira, vamos raciocinar em relação ao Saque. Quando o comentarista diz que a equipe A não está sacando bem. O que você entende?

A - Que seus jogadores não estão executando corretamente o fundamento saque, ou seja, estão errando muitos saques, ou que o grau de dificuldade dos saques não é alto?

ou

B – Que o conjunto de saques desferidos pela equipe não estão causando qualquer dificuldade para a construção das jogadas de ataque da equipe adversária?

 

Nos dois exemplos, devem ser considerados dois aspectos.


 - O erro técnico individual, ou seja, os atletas erram seguidamente os saques (fundamento); sacam na rede e/ou sacam para fora. Ou, no caso do bloqueio, os jogadores estão nos posicionamentos certos, mas erram a execução do bloqueio (fundamento); saltam pouco, colocam incorretamente os braços e/ou mãos, saltam antes ou depois, etc.

- A ineficiência tática coletiva, isto é, os jogadores sacam corretamente (executam corretamente o fundamento), com potência, etc, mas não conseguem dificultar a construção do sistema de ataque da equipe adversária (a função não funciona). Ou, em relação ao bloqueio, a equipe não consegue posicionamentos adequados, é fintada, etc.


Enfim, quando o treinador diz que a equipe não foi bem no saque ou no bloqueio, entendo que está mencionando o rendimento na função saque ou bloqueio. E não que seus jogadores não tenham executado corretamente os fundamentos, de saque ou bloqueio.


Ou, quando o treinador e os jogadores dizem que têm que “forçar” o saque. Significa que têm que sacar corretamente (executar o fundamento corretamente), sacar com maior potência (executar o fundamento imprimindo maior potência)?


De modo geral, na minha maneira de ver, eles se referem à função, querem dizer que devem sacar inteligentemente (inclui correção e potência) tendo em vista marcar pontos e dificultar a recepção e, consequentemente, a construção do sistema de ataque da equipe adversária.


Baseado no raciocínio apresentado, penso que o Saque deve ser considerado sob dois aspectos, absolutamente distintos, embora o assunto comporte vasta discussão.

 

1 - Como Fundamento.

Ao longo dos tempos, o saque deixou de ser ação para colocar a bola em jogo. E vem se tornando cada vez mais potente, com trajetórias cada vez mais rápidas.
A partir de meados do século passado, o saque foi ganhando, cada vez mais, maior potência. Refiro-me aos saques "Americano" e do tipo Tênis, com "Rosca", que já eram muito potentes. Com a introdução do saque “Viagem ao Fundo do Mar", que começou ser utilizado, em jogos internacionais, pelo levantador William Carvalho da Silva, na década de 1980, e depois virou apenas “Viagem”, o saque parece ter considerado, definitivamente, como ataque. É uma cortada potentíssima com trajetória incrivelmente veloz, desferida, muitas vezes, a menos do que nove metros da rede. Requer não uma recepção, mas sim uma defesa, por ser um verdadeiro e impetuoso ataque. Neste caso, concordo, plenamente, com aqueles que o consideram um ataque.

2 - Como Função do Jogo.

Vinculado a um Sistema (conjunto de ações/funções encadeadas, com vistas a um objetivo), coloco-o no Sistema Defensivo. Defino o saque, então, como a primeira ação/função do sistema defensivo tendo em vista dificultar a construção do sistema de ataque da equipe adversária, a fim de – inversamente - facilitar o sistema defensivo (bloqueio e defesa) da equipe que o executa.

Considerando essas duas maneiras, o saque tem como objetivos:

- a marcação de pontos;

- a função tática.

É oportuno lembrar que, segundo as estatísticas dos campeonatos de alto nível, é considerado ponto de saque o "ace"; isto é, a bola que não é recepcionada, que toca diretamente o solo da quadra. A bola recepcionada equivocadamente e "morre", sem que a equipe consiga executar um segundo toque, não é considerada ponto de saque e sim erro de recepção.


Outras estatísticas dividem o Saque em:

- Positivos;

- Negativos.

 

- Positivos:

- o "ace" (a bola atinge o piso da quadra sem ser tocada pela equipe adversária e, conseqüentemente, é ponto direto);

- o que resulta em erro de recepção da equipe adversária;

- o que dificulta a construção do o sistema ofensivo do adversário (objetivo tático).

- Negativos:

- os erros de execução;

- as infrações da regra (executado dentro da quadra; não passam pela rede ou caem fora da quadra);

- os que os adversários recepcionam com precisão absoluta.

 

Nos artigos que se seguirão vamos focalizar, com o maior detalhamento possível, o saque quanto aos seus objetivos. Isto é, para a Marcação de Pontos e como Função vinculada ao Sistema Defensivo.

 

Home

Ir para Menu Vôlei de Quadra